Coluna do Carleto – Edição 317

Carnaval: entre a enchente e os aplausos

Estrutura danificada, equipamentos de energia, som e iluminação destruídos, banheiros químicos boiando. Foi impossível realizar os desfiles no sábado, no Taboão. As escolas e blocos escalados para domingo tiveram mais sorte e puderam desfilar. Segundo a Prefeitura, 10 mil pessoas acompanharam e aplaudiram o Carnaval guarulhense. A apuração seria na quinta-feira, após fecharmos esta edição.

Moro x Suíça

Embora autoridades da Suíça tenham considerado irregular a forma como foram fornecidas provas da Operação Lava-Jato que incriminaram o empresário Marcelo Odebrecht, o juiz Sergio Moro resolveu mantê-las, afirmando que não foram declaradas inidôneas, apenas teria havido erro de procedimento. Márcio Faria, outro executivo da empreiteira preso pela PF, pretendia se valer desse argumento para invalidar as provas, o que beneficiaria Odebrecht.

Azeredo enrolado

Em Belo Horizonte, a juíza Melissa Ribeiro Costa Lage rejeitou os embargos propostos pelo ex-governador de Minas Gerais e ex-presidente do PSDB Eduardo Azeredo, condenado a 20 anos e 10 meses por peculato e lavagem de dinheiro, com verbas de publicidade, no escândalo conhecido como “mensalão mineiro”.

Verba polêmica

A necessidade de cancelar os desfiles de carnaval do sábado, devido às fortes chuvas, acenderam o debate sobre a escolha do local. O vereador Laércio Sandees (PMN) postou que dias antes havia alertado que a avenida Joaquina de Jesus não era adequada, por serem frequentes as enchentes ali. No portal Click Guarulhos, comentei que, diante da crise financeira, teria feito melhor a Prefeitura se tivesse destinado a verba do carnaval para a limpeza de ruas e de bueiros, com o que poderia ter evitado as enchentes que causaram transtornos em vários pontos da cidade. Errei ao citar R$ 5 milhões, quando a verba das escolas e blocos ficou em R$ 591 mil, mas é certo que muito mais foi gasto em aluguel de equipamentos e montagem das estruturas. Nada contra o carnaval e os carnavalescos: apenas uma questão de prioridade.

Operação Itaquá

Sem nada a perder, a não ser o próprio sossego, o deputado estadual Auriel Brito transferiu o domicílio eleitoral para Itaquaquecetuba, onde pretende ser candidato a prefeito pelo PT. Baita desprestígio para os petistas da cidade vizinha ter de importar um nome, ainda mais um que não tem absolutamente nenhuma experiência administrativa. Aliás, como deputado, até agora não justificou os votos guarulhenses com os quais foi eleito.

Desinformado

O deputado estadual Jorge Wilson (PRB) divulgou nota dizendo que reivindica da Prefeitura de Guarulhos e da NovaDutra “a liberação do trevo de Bonsucesso”, que estaria interditado. Quis referir-se, no entanto, ao retorno pela antiga travessia aérea, cujo acesso à esquerda é impedido pela Polícia Rodoviária Federal.

Júlio Mazzola, 59

Lamento registrar o falecimento, na terça-feira, em Caraguatatuba, do publicitário e empresário Júlio Mazzola, aos 59 anos, vítima de infarto. Por muitos anos, foi gerente comercial da Folha Metropolitana; depois, do caderno Guarulhos Metrópole, do jornal O Estado de S.Paulo; editou o jornal Positivo, com foco em boas iniciativas de entidades de classe e assistenciais. Teve forte atuação na Asec – Associação dos Empresários de Cumbica, notadamente nas Rodadas de Negócios e no informativo Asec Press. Era membro do Rotary Club Guarulhos-Aeroporto, do qual foi presidente. Foi velado e sepultado no Cemitério Vertical Memorial Guarulhos, na manhã de quarta-feira, com a presença de muitos amigos. Como ele era fanático torcedor, seu caixão foi coberto com a bandeira do Palmeiras.