A competência de Claudia Inaba

Formada em Direito e pós-graduada em Direito Previdenciário, Claudia Inaba, 39 anos, está hoje no comando da Cras Advocacia, escritório especializado na área previdenciária e que está no mercado há quase 20 anos. “Minha mãe, Dra. Zelia, também advogada, é minha sócia e devo a ela tudo o que conquistei profissionalmente”, comenta.
Segundo a advogada, sua veia empreendedora deu sinais desde a infância. Ela conta que sempre gostou de tomar a frente de tudo. “Nos trabalhos escolares, sempre tinha a iniciativa de criar, desenvolver e distribuir tarefas e, quando percebia que o grupo não colaborava, eu mesma fazia. Ingressei na faculdade com o objetivo de ser advogada, pois sempre gostei de criar, liderar e gerenciar processos e, para isso, teria que ter meu próprio espaço.”

Ao longo de sua trajetória profissional, Claudia Inaba passou por diversos desafios, principalmente, com relação à gestão de pessoas. Ela diz que passaram por ela várias equipes de advogadas, estagiárias e auxiliares. Porém, ela acredita que foi a partir de 2011 que conseguiu formar uma equipe de excelência, pois também se tornou uma líder verdadeira e servidora, que busca extrair o melhor do potencial de cada colaboradora, respeitando eventuais limitações.

Experiente, afirma que, antes de tomar a decisão de empreender, a mulher tem de, primeiramente, se conhecer. “O autoconhecimento é fundamental para identificar se a pessoa tem perfil empreendedor. Há pessoas que não têm esse perfil, preferem estabilidade, o conforto de cumprir a jornada de trabalho e se desligar totalmente da atividade profissional para se dedicar à vida pessoal”. Ela diz que não tem certo, nem errado, que é apenas uma questão de perfil e, principalmente, de escolhas.

Ela salienta que as mulheres, apesar das limitações impostas pela sociedade, não mais se conformam em viver à sombra do cônjuge. “Elas querem mais! Querem ter seu dinheiro, sua independência financeira e sua liberdade.” Para ela, a persistência e dedicação faz da mulher uma verdadeira guerreira, que consegue conciliar a maternidade com o trabalho, que dorme quatro ou cinco horas por noite para dar conta de suas demandas diárias. “A doçura e a delicadeza fazem parte da natureza feminina e quando ela consegue equilibrar essas características, transmitindo conhecimento, segurança e ética aos seus clientes, não há outro resultado, senão o sucesso.”

Claudia tem muito claros os papéis que exerce (como mãe, esposa, profissional, amiga, filha, voluntária, etc). Sendo assim, procura organizar seu tempo, que é seu bem mais precioso, para executar esses papéis com equilíbrio. “É claro que nem sempre consigo atender todas as demandas, ainda mais porque todo advogado trabalha com prazos e nem sempre é possível controlá-los; porém, me esforço para compensar, dedicando mais tempo para minha família e até mesmo cuidando de mim.” A advogada é casada com Mario Kengi Inaba e tem duas filhas, Heloisa e Camila. Para ela, o empreendedorismo para a mulher tem alguns obstáculos diferenciados, ainda mais quando a mulher é casada e tem filhos. “A cobrança e responsabilidade são infinitamente maiores, mas ao mesmo tempo, muito gratificantes”.

Para dar conta de tudo, Claudia estabelece, todo início de ano, metas de curto, médio e longo prazos. Em cada meta, define submetas e determina uma data para reavaliação ou conclusão. Ela enfatiza que o planejamento é fundamental pra atingir objetivos e diz que é extremamente gratificante poder revisitar a agenda e ver que conseguiu cumprir uma boa parte do que estabeleceu.

Já para quem está iniciando um negócio, a advogada dá dicas preciosas e cita os principais fatores para o sucesso de uma empresa: “Autoconhecimento, persistência, não ter vergonha; ter disposição para dormir pouco e saber segurar a barra quando as coisas não derem certo. Também é altamente recomendável que a pessoa estude minuciosamente o mercado no qual deseja entrar. Uma consultoria no Sebrae ajudaria muito”, opina.

E no processo de empreender, ela se sente bem em poder exercitar sua criatividade, colocar suas ideias em prática e ver que elas deram certo. Claudia conta que boa parte de suas ideias advém, na maioria das vezes, das suas férias. “Nesses momentos, consigo enxergar ‘fora da caixa’, ou seja, observo o que ocorre ao meu redor e procuro adaptar ao meu negócio tudo o que dá certo”.

Quando o assunto é a importância da mulher no desenvolvimento da sociedade e economia do País, afirma que vivemos numa época em que a mulher tornou-se protagonista e não aceita mais ser coadjuvante. Salienta que boa parte não quer mais ser dona de casa. Diz que as mulheres querem ser reconhecidas e admiradas pelo marido, filhos, amigos… “Por óbvio, quanto mais empreendedoras persistentes, mais o Brasil cresce.”

E com tantos afazeres típicos da vida corrida da mulher, como fazer para buscar energia quando o dia não é dos melhores? “Pra dar conta do recado, só malhando pesado! Quase todos os dias, logo cedo, vou à academia, faço musculação durante uma hora e volto pra casa energizada para enfrentar o dia. Também cuido da minha alimentação. Evito farinha branca, frituras, açúcar e leite. De vez em quando, aprecio um vinho ou uma cerveja pra acompanhar meu marido. Por fim, cuido da minha mente, procurando sempre pautar minha vida na positividade e na gratidão por tudo e por todos!”

O Dia Internacional da Mulher para você representa… o reconhecimento da nossa importância, da mulher que acumula tantos papéis e também um dia feliz em que recebemos de volta o que sempre oferecemos sem esperar nada em troca: o carinho em forma de flores, chocolates e diversos parabéns!