A importância de saber outro idioma

28

Por Val Oliveira

Conhecer outros idiomas é um dos melhores investimentos que uma pessoa pode fazer para si. No mundo de hoje, falar outras línguas ajuda para tudo, principalmente para quem busca uma carreira profissional sólida e bem sucedida.

Com a globalização e a popularização da internet, não existem mais fronteiras. Dessa forma, ampliar o conhecimento sobre outras culturas e idiomas é a maneira mais eficaz de “passear”, sem pedágios ou vistos, pela “aldeia global”. As vantagens são muitas: viajar a trabalho e conhecer o mundo, aumentar a rede de contatos, fazer negócios internacionais, ter salário maior, entre tantas outras possibilidades. Pensando nisso, preparamos essa edição especial procurando “elencar” as vantagens que conhecer outros idiomas proporciona a quem quer ser um “cidadão do mundo”, literalmente.

Tecnologias e métodos de ensino

Para Vera Lucia Moraes Novo, proprietária da unidade Guarulhos do Centro Britânico, cada vez mais as informações e a comunicação estão baseadas na tecnologia. E elas interferem diretamente no dia a dia das pessoas, inclusive na busca por estudos e trabalho. Com isso, a necessidade de dominar outro idioma é uma necessidade também crescente. “Falar ao menos o inglês é quase obrigatório para ingressar no mercado de trabalho, viajar ou dar um upgrade na carreira. Aqui ministramos aulas de inglês, francês, italiano, alemão, espanhol, mandarim e português para estrangeiros. Utilizamos método comunicativo, que desenvolve simultaneamente as quatro habilidades: produção oral (falar), compreensão auditiva (ouvir), leitura (ler) e escrita (escrever), sendo a comunicação no idioma estudado o foco principal das aulas”, explica.

Vinicius Nobre, gerente acadêmico da Cultura Inglesa, também destaca a importância de não apenas aprender, mas vivenciar a língua. “Na escola, todos têm espaço para desenvolver experiências e práticas no idioma, desde as crianças até os adolescentes e adultos. Além dos cursos regulares, os alunos também podem focar o aprendizado em suas principais necessidades, sejam elas definidas pela conversação, gramática ou ainda pelo seu campo profissional”, enfatiza.

Raphael Morais, diretor operacional da Wizard Guarulhos, explica a metodologia aplicada nos cursos de inglês, espanhol, francês, alemão, italiano, chinês, japonês e português para estrangeiros da unidade, ministrados nas modalidades em grupo e individual. “Usamos metodologia própria e exclusiva, baseada em técnicas de neurolinguística. Aqui o aluno tem contato com o idioma e fala 100% inglês desde a primeira aula. Trabalhamos a fala, escrita, leitura e compreensão auditiva, que pode ser reforçada por meio do Wizpen, uma caneta capaz de vocalizar todo o conteúdo publicado nas páginas dos livros didáticos”, destaca.

Academia para a mente

O aprendizado de um novo idioma em diferentes idades segue etapas diversas e pode funcionar como exercícios para a mente. As crianças aprendem e assimilam novas experiências com muito mais facilidade, justamente por estarem em um estado crítico da formação do cérebro. “Isso facilita o aprendizado e absorção de um novo idioma. E também há o fato de que os pequenos não têm receio de falar errado. Nossas aulas têm caráter lúdico e são bem divertidas”, comenta Vera.

Por outro lado, os jovens e adultos apresentam outro perfil e estágio de aprendizado, o que pede um ensino personalizado e que leve em consideração aspectos de seu dia a dia, o que é fundamental para o aprendizado. “É por isso que os cursos são desenhados de forma a garantir esse foco no aluno. Para que ele possa utilizar o conteúdo aprendido em sala de aula em sua rotina. O interessado mais sênior deve pensar em aprender uma segunda língua para desenvolvimento pessoal, tanto quanto mental, pois está comprovado pela medicina e pela neurociência que é um dos melhores exercícios preventivos das doenças de envelhecimento do cérebro, visto que estimula as estruturas neurais desta parte do corpo, que devem estar sempre ativas. É uma academia para preservar a saúde da mente”, destaca Vera.

Quando começar?

A dúvida sobre a partir de qual idade uma criança pode começar a aprender uma segunda língua é bastante comum. Será que existe prejuízo no aprendizado da língua portuguesa quando a criança começa tem contato com outro idioma? As informações simultâneas não vão gerar confusão para os pequenos? Vera Lúcia, do Centro Britânico, diz que a experiência pode começar a partir dos três anos de idade, quando as crianças estão mais abertas a uma experiência social fora do lar e dos cuidados dos pais. “Não há prejuízo. Muito pelo contrário, pois é observável que a criança desenvolve mais amplamente a sua percepção criativa e comunicativa nesta fase inicial, e isto estimula a sua capacidade de aprendizado, atenção e associação. Além disso, a criança desenvolve sua experiência social de forma dinâmica e divertida, pois aprende brincando. Isso, somado à grande atividade mental do período crítico de desenvolvimento do cérebro da criança, beneficia o aprendizado e aperfeiçoamento das capacidades cognitivas”, enfatiza Vera.

“A partir de cinco anos de idade, a criança já pode iniciar os estudos na Cultura Inglesa e terá um primeiro contato natural e divertido com a língua. […] Cada aula é baseada em histórias contadas pelos professores e são alternados momentos de atividades lúdicas e de escrita e leitura”, explica Vinicius.

Avaliando o curso escolhido

Quais são os cuidados que devem ser adotados na hora de contratar um curso de idiomas e como avaliar se o curso escolhido é bom? É interessante procurar assistir uma aula demonstrativa, conhecer a metodologia, certificar-se de quantos alunos têm em sala (este item é de suma importância e a maioria das escolas tem média superior a 16 alunos por turma, em alguns casos, são 25 por turma), pedir os depoimentos gravados de alunos ou ex-alunos com nomes, visitar a escola e conhecer a infraestrutura oferecida, a formação dos professores, localização, segurança e acessibilidade, entre outros. “Convém observar se as pessoas desenvolvem plenamente as quatro habilidades: falar, ouvir, ler e escrever. A queixa recorrente por parte de novos alunos e visitantes é: ‘consigo ler, mas na hora de falar eu sempre travo’. Isso é facilmente avaliado ao longo do curso e o rumo dos trabalhos corrigidos dentro da necessidade de cada aluno. Também é importante que o aluno leia atentamente o contrato e observe todas as cláusulas evitando problemas de entendimento futuro”, diz Vera.

“O mercado de ensino de idiomas oferece muitas opções, mas, infelizmente, não tem nenhum tipo de regulamentação. A seriedade do trabalho das escolas de idiomas depende muito da sua missão, proposta e posicionamento. Por isso, é muito importante avaliar a tradição da escola, buscar recomendação de amigos e analisar a proposta pedagógica e a metodologia escolhidas. É fundamental que o corpo docente esteja comprometido com a carreira de ensino de idiomas e que passe por frequente capacitação e desenvolvimento profissional. Um profissional dessa área deve ter, por exemplo, proficiência no idioma que ensina. A falta de compreensão de um contrato assinado pode gerar uma série de transtornos, principalmente, para o contratante. Para que não haja insatisfação, devemos ler todas as cláusulas com atenção e, caso alguma delas não seja clara, devemos buscar orientação de quem entende do assunto. O importante é estarmos cientes de tudo o que envolve o contrato de um serviço, seja um curso de idiomas ou não, e de nossos direitos e compromissos”, destaca Vinicius.

Aprofundamento cultural

Além de falar e escrever, aprender outro idioma acrescenta novos saberes e conhecimentos sobre a cultura dos países dos idiomas estudados. Esse enriquecimento cultural não tem preço e pode influenciar nos mais diversos setores da vida. “Ao aprender o francês, por exemplo, os alunos passam a desejar visitar a França, assistir aos filmes, ouvir músicas, ler autores de origem francesa e tudo isso amplia seus horizontes”, ratifica Vera.
“Vivemos em mundo globalizado e saber outro idioma significa poder se comunicar e se conectar com esse mundo. Dominar outra língua nos permite abrir novas portas não só na vida profissional, como também na vida pessoal. O mundo se transforma em uma velocidade muito acelerada e devemos estar prontos para novas oportunidades, desafios e aventuras. O domínio de outro idioma com certeza contribui para que estejamos ainda mais preparados para as diversas situações que a vida nos oferece”, fala Vinicius.
“Além do acesso ao mercado de trabalho globalizado, permite acesso a conhecimento, visto que a maioria do conteúdo publicado em sites científicos, de pesquisa, notícias e demais estão na língua inglesa”, pensa Raphael.

Depoimento

Conheça um pouco da história de Felipe Dias Morais Magalhães, engenheiro elétrico por formação e consultor de eCommerce por profissão, que investiu no aprendizado de idiomas e hoje reconhece o quanto isso foi fundamental para o desenvolvimento de suas funções profissionais e como o segundo e terceiro idiomas lhe abriram um “mundo” de possibilidades.

“Estudei formalmente dois idiomas além do português: inglês e espanhol a partir dos 10 anos de idade. Em meados dos anos 1990, meus pais já sabiam da importância de falarmos outra língua e me incentivaram a estudar inglês. O espanhol veio mais tarde. Já estava trabalhando e comecei a ter contato com projetos que envolviam a América Latina.

Aproveitei a chance de praticar todos os dias e ingressei em aulas particulares de espanhol. Aprender outros idiomas mudou muita coisa em minha vida. Com o inglês, logo na infância, pude desfrutar de jogos e livros que, naquela época, existiam apenas em inglês. No início da vida profissional o inglês foi fundamental. Trabalho numa multinacional e tenho contato diário com diversos países, e nosso idioma em comum é o inglês. O espanhol, por sua vez, acabou me permitindo participar de projetos na América Latina, em países como México e Colômbia. Depois de aprender o segundo idioma, o terceiro foi mais fácil, pois além de começar a entender a estrutura idiomática, o fato das regras gramaticais do espanhol serem próximas ao português também ajudou bastante. O principal cuidado na hora de escolher um idioma para se aprofundar é optar por aquele que possa ser praticado frequentemente, principalmente no início do aprendizado. Outra dica é perder o medo de falar. Todos falamos com sotaque e erros são bastante comuns no início. O importante é conseguir se comunicar.

Na minha área de atuação – eCommerce e tecnologia – saber inglês é impreterível. No mundo globalizado é muito comum ter um cliente estrangeiro, ou ter uma equipe de desenvolvimento em outro país. Sem contar que grande parte do material didático, fóruns, sites e eventos também são em inglês. No âmbito profissional os benefícios vão de conseguir entender piadas e expressões que só fazem sentido em outra língua, até a se sentir mais à vontade em viagens internacionais. No ramo em que atuo já vi pessoas perderem oportunidades de emprego ou de promoção por não dominarem um segundo idioma. Inclusive, em entrevistas que realizo com candidatos, considero o inglês fundamental. Na empresa em que trabalho, para ser promovido é preciso realizar um teste de inglês e garantir uma nota mínima para cada nível de carreira. Saber inglês deixou de ser diferencial e passou a ser pré-requisito. Saber um terceiro idioma, sim, pode ser um diferencial e garantir promoções e, consequentemente, melhor remuneração. Com o inglês pude ir a passeio para a Inglaterra, Bélgica, França e Estados Unidos. Com o espanhol pude me virar bem no México e no Chile. Em minha opinião, a melhor forma de aprender outro idioma é imergir na cultura e conviver diretamente com os falantes do idioma. Não existe nenhuma aula melhor do que ter que se comunicar. Se não for possível conviver com outras pessoas, a dica é assistir a filmes e seriados, escutar músicas ou ler livros na língua estrangeira. Reforço que o inglês não é mais um diferencial, mas condição fundamental no mercado de trabalho, e que o espanhol é a segunda língua mais falada no mundo, perdendo apenas para o mandarim”, encerra.

Serviços

Action
Rua Marret, 377, Vila Progresso
2440-0535

Centro Britânico
Avenida Salgado Filho, 1.443, Maia
4963-1133 / 2408-9762 / 98539-0195
www.centrobritanico.com.br

Cultura Inglesa
Rua Brasília Castanho de Oliveira, 280, Vila Lanzara
2461-1032
www.culturainglesasp.com.br

Red Ballon
Rua Josephina Mandotti, 318, Jardim Maia
4372-0023 / 4372-0024
www.redballoon.com.br

Wizard
Rua São Paulo, 238, Gopoúva
2461-0633
www.wizardguarulhos.com.br