A Travessia (The Walk – Sony) / Crítica

Em 1974, às vésperas da inauguração do World Trade Center, o equilibrista francês Philippe Petit ganhou a atenção do mundo inteiro ao fazer uma travessia de 40 metros, sobre um cabo de aço, no topo das Torres Gêmeas, que, na época, já possuíam o título de construções mais altas do mundo. Baseado em fatos, A Travessia vem para retratar essa façanha considerada impossível, mas toma um rumo totalmente inesperado, tornando tal façanha uma experiência que brinca com os sentidos do espectador.

Petit (retradado de forma enérgica por Joseph Gordon-Levitt) tem a ambição de ser um equilibrista desde criança. Ele vai crescendo, e sua vontade se fazer coisas ainda mais grandiosas cresce junto, até que, um belo dia, ele descobre que estão sendo construídos os prédios mais altos do mundo através de uma simples notícia de jornal. Petit não pensa duas vezes, e logo já quer botar todas as suas habilidades em prática para realizar o maior feito de sua vida: se equilibrar em um cabo de aço entre os prédios.

No que diz respeito à retratação de uma história baseada em fatos, Robert Zemeckis (Forrest Gump, De Volta Para o Futuro, Náufrago) consegue entregar um filme que se mostra uma experiência imersiva e sensorial. A história em si carrega momentos que se arrastam demais no desenvolvimento dos personagens e na explicação de pontos-chave. Os dois primeiros atos do filme são semeados por momentos cansativos.

Todo o trunfo do filme, porém, foi reservado para o ato final. Quando finalmente estamos pra ver o grande clímax do filme (a tão sonhada travessia), Zemeckis dá espaço para momentos que literalmente mexem com as sensações humanas. As imagens vertiginosas mostradas do alto das Torres Gêmeas literalmente mexem com os sentidos, retratando de forma muito realista a grandeza dos prédios em relação à Nova York. Àqueles com medo de altura, se preparem!

Se mostrando um entretenimento puramente sensitivo e visual, A Travessia ofusca o fato da história ser baseada em acontecimentos reais. Fato esse que atrapalha pouco a boa experiência…

Nota: 7,5/10