Acabou a greve dos servidores municipais

Votação que aceitou a contra proposta da Prefeitura e colocou fim à greve - Foto: Alexandre de Paulo/Click Guarulhos

Servidores públicos municipais reunidos em assembleia no fim da tarde desta quinta-feira, 30, no Paço Municipal, acataram a mais recente proposta da Prefeitura de Guarulhos e decidiram encerrar a greve, que se arrastava desde o dia 22.

Depois de audiência de conciliação entre as partes, realizada no Tribunal de Justiça (TJ/SP) na tarde de hoje, foram oferecidos 2% de reajuste linear para todos os servidores, divididos em três vezes (1% em maio, 0,5% em setembro e 0,5% em novembro); reajuste de 5% sobre o vale-refeição ou vale-alimentação; 5% sobre a cesta básica e, o que deve ter motivado mais apoios, abono de R$ 80 para quem ganha até R$ 2.502.

Apesar de menos favorável do que a proposta oferecida no dia 27 e mesmo com os dias parados não sendo abonados, porém podendo ser compensados até dezembro, a categoria aceitou e pôs fim à greve.

A proposta rejeitada anteriormente, feita pela desembargadora Ivani Contini Bramante, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT/SP), era de 2,5% de aumento escalonado (1,25% em maio + 1,25% em setembro) e o abono dos dias parados, além da reposição da inflação na cesta básica e no vale refeição/alimentação.

Ao ser declarada a aprovação da proposta e o fim da greve, anunciada pela diretoria do Stap (sindicato da categoria), surgiram protestos de servidores que estavam mais distantes do caminhão de som e que alegaram não ter sido possível ouvir qual era a proposta e que, portanto, não estavam em condições de votar.

Professora não teve direito a fala com microfone; Stap alegou que “já havia sido encerrada” – Foto: Alexandre de Paulo

Uma professora, Rilda, que leciona há 34 anos, atualmente na EPG Anísio Teixeira, queixou-se que tentou falar ao microfone e que esse direito lhe foi impedido pelos dirigentes do Stap, sob alegação de que “já havia sido encerrado o direito à fala”.

Rilda disse ao Click Guarulhos que a greve não obteve a força suficiente para obrigar o Executivo a conceder melhor reajuste graças à atitude de professores substitutos, que foram trabalhar no lugar dos que estavam em greve. “É um absurdo um professor substituir outro que está na rua!”, afirmou, indignada.

A professora Rilda contestou a alegação do Stap e disse que desde o início da assembleia pediu para usar o microfone, porém não foi atendida.

Confira o vídeo com a manifestação da professora:

Professora Rilda protesta por não ter tido direito a fala na assembleia dos servidores públicos municipais

Nota da Prefeitura de Guarulhos

“A Prefeitura de Guarulhos informa que os servidores municipais aceitaram nesta quinta-feira (30) a proposta de reajuste salarial, finalizando assim a paralisação de parte da categoria iniciada no último dia 22.
A Administração Municipal concedeu o reajuste de 2%, sendo 1% a partir de 1º de maio; 0,5% em 1º de setembro; e 0,5% em 1º de novembro. Além disso, abono de R$ 80,00 para quem ganha menos de R$ 2.502,00.
Já os vales alimentação e refeição, além da cesta básica terão reajuste de 5%, a partir de maio. As diferenças serão recebidas no próximo pagamento.
Os dias parados não serão abonados, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal e Supremo Tribunal de Justiça. Contudo, o prefeito Guti aceitou que os dias sejam compensados até dezembro.”

*com informações de Alexandre de Paulo; matéria atualizada às 18h34