Em solenidade no auditório “Menino Maluquinho”, da Bienal do Livro, a Academia Guarulhense de Letras comemorou, na quarta-feira, 5, seus 40 anos de atividades. É presidida atualmente pelo mestre de cerimônias José Augusto Pinheiro. O secretário de Educação, João Carlos Pannocchia, prestigiou a cerimônia e comprometeu-se a apoiar as iniciativas da entidade, no sentido de levar incentivo à leitura aos mais jovens. A Academia tem promovido saraus em escolas públicas e particulares, nos quais os alunos têm possibilidade de mostrar seus poemas e crônicas.

Os membros presentes ao evento entoaram o Hino da AGL, cuja letra é do acadêmico Mauro dos Santos Oliveira e a música do maestro Armando Colacioppo, que regeu o coral. O acadêmico Bismael B. Moraes foi o orador. Citou algumas atividades, alegrias e conquistas alcançadas. “Cabe a nós, os atuais acadêmicos, dar continuidade ao trabalho realizado por nossos antecessores. Se possível, melhorá-lo a cada passo, porque, criadores das emoções que somos, devemos lembrar o que diz o filósofo holandês Baruch Spinoza, e saber que uma emoção só pode ser desfeita ou removida por outra emoção contrária ou mais forte”.

Vários acadêmicos apresentaram poemas e performances e foi lançada a edição 2018 da Revista da Academia Guarulhense de Letras, distribuída gratuitamente aos presentes. Contém artigos, poemas e crônicas de diversos autores.

Exemplares da edição atual e das anteriores também podem ser retirados sem custo no estande da AGL na Bienal. Alguns membros têm participado proferindo palestras em um dos auditórios do local.

Serviço

A Bienal do Livro vai até o domingo, 9, no Parque Linear Transguarulhense, no Parque Continental, com atrações para todas as idades. A entrada é gratuita.