Alugar ou comprar? Eis a questão

Uma dúvida muito frequente na cabeça – e no orçamento – dos brasileiros é se financeiramente existe mais vantagem em pagar aluguel ou comprar um imóvel, já que o alto preço de casas e apartamentos foge da realidade da maioria da população. Não existe uma verdade absoluta para o questionamento; afinal, quando o assunto é moradia, a decisão envolve dinheiro e sonhos; ou seja, às vezes, dependendo da situação financeira da pessoa, uma escolha pode até ser mais vantajosa do que a outra, mas tudo dependerá muito de quais são os planos da família. Para compreender melhor o cenário, conversamos com o educador financeiro, apresentador do canal Dinheiro à Vista e escritor Reinaldo Domingos.

É mais vantajoso alugar ou comprar um imóvel?

Depende da situação financeira da pessoa ou da família. Para quem não paga aluguel e quer a casa própria (mora com os pais, por exemplo) pode simular o valor da casa desejada e poupar dinheiro todos os meses ao longo dos anos. Assim pode dar boa entrada e assumir as parcelas do financiamento ou pagar à vista. Neste caso, pagar à vista é o melhor cenário, pois não seria necessário pagar juros e, sim, obter descontos.

Mesmo pagando juros é bom comprar um imóvel financiado?

Para quem já mora de aluguel e não tem reserva financeira, é muito difícil conseguir pagar um imóvel à vista. Caso o valor do aluguel seja equivalente ao da parcela de um financiamento, é válido entrar no financiamento, mesmo que vá pagar juros.
Os juros são a remuneração pelo empréstimo de dinheiro. No caso do financiamento imobiliário, os juros ao longo dos anos podem equivaler ao preço do imóvel, ou seja: financiando, paga-se praticamente por dois imóveis, comprando apenas um, mas ainda assim é a realização de um sonho das famílias.

Por que muitos especialistas dizem que pagar aluguel é financeiramente mais viável do que adquirir um imóvel?

A questão dos juros é determinante para muitos especialistas, mas a verdade é que em se tratando de sonhos, especialmente o da casa própria, tudo depende das necessidades, condições e desejos da pessoa ou da família. É possível realizar o sonho da casa própria por meio do financiamento, que é uma forma interessante, e também pelo consórcio ou pagando à vista, por exemplo. Não é possível dizer que uma forma seja melhor do que a outra: cada caso é um caso e cada família tem suas condições e necessidades.

Quais são os tipos de financiamentos existentes para compra de imóvel? Existe algum que seja mais vantajoso?

Há diversos tipos. Recomendo o SAC, que é o Sistema de Amortizações Constantes. Com ele, o valor das parcelas vai diminuindo ao longo do tempo e a pessoa acaba pagando um total de juros menor. Isso também traz segurança para o comprador, de que com o passar dos anos pagará parcelas mensais cada vez menores.
Se a pessoa decidir pagar aluguel em vez de comprar um imóvel, financeiramente, em longo prazo, quais cuidados aconselharia essa pessoa a ter?
Oriento que essa pessoa analise o valor que paga de aluguel em relação ao preço do imóvel. Digamos que pague R$ 1 mil mensalmente para viver em um imóvel que tenha custo de R$ 300 mil. Em uma simulação, a prestação para financiar esse imóvel (ou outro do mesmo valor) seria entre R$ 2.500 e R$ 3 mil.

Nesse caso, o ideal seria continuar pagando aluguel, então?

O ideal é que a pessoa reorganize as finanças e comece a poupar e investir dinheiro. Dependendo da quantia, é possível em dez ou 15 anos comprar o mesmo imóvel, pagando à vista – sem entrar em um financiamento de 30 anos.

8 importantes decisões para quem sonha comprar a casa própria

1- Reúna a família e converse sobre este tema, definindo o lugar, valor e as reais condições em que se encontram;
2- Ponto a ser levado em conta é o custo de vida da região em que irá morar, que pode ser mais alto que o atual.
Também considere os gastos com transporte;
3- Analise o valor do aluguel que está pagando e se for o mesmo valor da prestação de um financiamento, poderá ser uma opção financiar o imóvel;
4- O melhor caminho é poupar parte do que ganha; portanto, faça uma simulação em qualquer banco de quanto custaria a prestação desse imóvel e comece a guardar em um investimento conservador, como poupança, CDB ou tesouro direto;
5- Lembre-se de que o financiamento de um imóvel é considerado dívida de valor; por isso deve ser protegida e garantida, uma prioridade frente às demais despesas mensais;
6- Tenha sempre uma reserva estratégica, para que em uma eventualidade não deixe de honrar esse importante compromisso;
7- Caso não esteja conseguindo pagar a prestação da casa própria, é preciso rever imediatamente os gastos, em especial as pequenas despesas, que, somadas, podem levar uma família ao desequilíbrio financeiro;
8- Nunca se esqueça de que um novo imóvel demanda novos custos, como mobiliário novo, taxas de transferência, e, talvez, condomínio, etc