Por Cris Marques
Fotos: Newton Medeiros, banco
de imagens e divulgação

De urso, de lado, de rosto colado, apertado, em grupo, rápido ou demorado… É inegável que abraçar ou receber um abraço faz bem. E o gesto não é importante apenas para a saúde mental, agindo também na saúde física. Em Pittsburgh, na Pensilvânia, um time de pesquisadores da CMU (Carnegie Mellon University) comprovou que os abraços funcionam como uma forma de “apoio social”, protegendo as pessoas de infecções associadas ao estresse. Já na Universidade da Carolina do Norte, os cientistas constataram que o ato eleva o nível de oxitocina, dopamina e serotonina: hormônios relacionados à felicidade e ao bem-estar e responsáveis pela redução da pressão sanguínea, diminuição dos níveis de cortisol, controle da ansiedade, relaxamento dos músculos e fortalecimento do sistema imunológico, os mesmos liberados no momento do parto, quando você faz atividades físicas ou come um chocolate, por exemplo.

Matéria aquele abraço“Somos seres com cinco sentidos: audição, visão, paladar, olfato e tato. E é por meio desse último que sentimos boa parte do mundo e das pessoas. Além disso, nosso cérebro reage automaticamente bem a gestos e toques de amor. E um bom abraço, sincero e verdadeiro, transmite essa energia que, para a pessoa abraçada, pode suprir até mesmo suas carências emocionais. O abraço também é uma forma de confirmar o que dizemos. Existe uma grande diferença entre dizer ‘eu te amo’ e abraçar a pessoa e virar as costas logo após essa frase. O abraço tem a capacidade de afirmar como verdade a saudade, a alegria e o conforto que a boca diz. Por isso ele é usado para expressar tantos sentimentos diferentes”, explica o psicanalista Aurélio Gonzales, coach, analista comportamental e palestrante.

Ele também destaca que não existe uma forma correta para o ato. “Não acredito em jeito certo ou que as pessoas não saibam abraçar. E sim que, por conta de seus históricos de vida, o ato pode gerar vergonha, ser motivo de constrangimento ou apenas menos usual; mas um abraço bem dado, faz muito bem e está totalmente em alta. Uma ‘terapia’ mais do que recomendada e necessária diante da realidade da sociedade em que vivemos”, reforça.

Um elemento poderoso

Matéria aquele abraço
Segundo Willian Lin, head trainer do Instituto i9c, que alia coaching e PNL (programação neurolinguística), o abraço é uma linda declaração em silêncio. “Ele transmite amor, reconhecimento, troca de energia, agradecimento, segurança, proteção, carinho, respeito e sensação de bem estar. Na PNL, muito mais que um gesto carinhoso, o ato é uma forma de comunicação não-verbal Matéria aquele abraçomuito poderosa, que traz uma conexão real, em um mundo que, cada vez mais, as pessoas estão conectadas virtualmente e desconectadas fisicamente”. Para ele, que utiliza a terapia do abraço como ferramenta em seus treinamentos do programa “Liderança Inspiradora” e nos workshops e cursos da empresa, um bom abraço é aquele no qual você envolve o outro e se sente envolvido também. “Chegue perto da pessoa, um braço sobre os ombros e outro na altura da cintura, se aproxime a ponto de colar seu peito sobre o peito dela. Com respeito. Feche os olhos e sinta o bater dos dois corações”, orienta.

Abraço como verbo

Matéria aquele abraçoMais do que dar um abraço em alguém, o verbo abraçar também é usado como sinônimo de ligar-se, sensibilizar-se e aderir a algo. E é isso que o Projeto Abraço propõe. “Somos uma organização não governamental, sem fins lucrativos, com atuação na área de assistência social. Nossa missão é engajar e formar pessoas para o trabalho voluntário, com o objetivo de promover ações sociais. Conseguimos captar e viabilizar recursos por meio da organização de eventos temáticos reunindo famílias e amigos para fazer da diversão uma boa ação. E o projeto tem esse propósito também: abraçar as causas das pessoas e/ou instituições necessitadas”, explica Elisa Toda (de camiseta azul, na foto abaixo), coach e diretoria executiva da iniciativa.

Dentro do calendário anual de ações, a Abraçolandia ganha destaque. “Trata-se de um evento social, cultural e recreativo. Inspirado em Walt Disney, mais especificamente na Disneylândia, ele tem como marca registrada atrações variadas para encantar adultos e crianças. Sem contar a ‘comitiva’ que realiza a recepção dos convidados com muitos abraços, que acabam emocionando quem chega. […] Também usamos a prática como objeto de integração quando realizamos visitas em instituições, com os internos/acolhidos e nossos voluntários. É uma forma de dar e receber amor e carinho de alguém que não conhecemos. Sem dúvidas, o maior beneficiado somos nós mesmos, pois a sensação de gratidão é algo indescritível”, destaca ela.

Matéria aquele abraço

O melhor presente

Matéria aquele abraçoPara o guarulhense José Augusto Pinheiro, jornalista da Rede Boa Nova de rádio, o abraço tem o poder de unir, integrar, aquecer e irmanar. E é o melhor presente do mundo: simultaneamente, você dá e recebe. “Houve um tempo em que as pessoas tinham um hobby: juntavam selos, moedas, figurinhas, tampinhas; enfim, tudo que pudesse ser agrupado, a fim de mostrar para as visitas em casa. Dava trabalho, mas valia a pena. Era fator de integração, entretenimento e de cultura. Eu já fui filatelista e, hoje, coleciono amizades. É sempre bom conhecer pessoas novas: são universos em particular, normalmente, com muito em comum com os nossos propósitos de vida. Faz 12 anos que soube do valor intrínseco de um abraço sincero”, conta ele.

E foi pensando no poder do gesto que ele, ao lado de Márcia Barbosa, colaboradora das Casas André Luiz, criou o Abraço Natalino, um evento que, desde 2010, reúne um grupo de pessoas na principal rua comercial de Guarulhos para trocar abraços na véspera do Natal. “A ideia surgiu a partir de um abraço fraterno entre nós dois, em um momento de profunda gratidão dela, que passara por um tratamento médico rigoroso com pleno êxito. Distribuir abraços gratuitos para as pessoas (muitas, absolutamente desconhecidas) foi a forma que encontramos de retribuir a Deus o que nós recebemos durante todo o ano em termos de saúde física, mental e espiritual. […] Até hoje, foram seis edições e as participações variaram bastante, mas a cada ano temos um número maior de pessoas”, conclui.

Matéria aquele abraço

Quer participar? Em 24 de dezembro de 2016 (sábado) eles repetem a dose na rua D. Pedro II, Centro, em frente à Igreja Matriz, das 9h às 11h. O grupo fica reunido em uma área de 50m2 a 70m2 e terá o prazer de te receber. Com um abraço, é claro!

Para ler

Matéria aquele abraço“A Terapia do Abraço”: escrito pela psiquiatra Kathleen Keating, mestre em enfermagem e pedagoga americana, a obra (com dois volumes) ensina a dominar o abraço e suas técnicas avançadas, mas, mais do que isso, propõe o gesto como uma ciência, um método simples de oferecer apoio, cura e crescimento. Além disso, ainda descreve os tipos de abraço com uma divertida mistura de impulsividade e seriedade e ursos encantadores ilustrados por Mimi Noland.