Assembleia opta por não ocupação e manifestantes tentam forçar invasão no Juvenal

Após saída dos alunos do turno da manhã da EE Juvenal Ramos Barbosa, contrários à ocupação e que estavam em uma atividade de confraternização, um grupo de cerca de cinco alunos começou usar o megafone e fazer o protesto na porta da escola, no Jardim Rosa de França. Depois chegou um grupo de mais ou menos 15 pessoas, nenhum aluno, mas que no dia anterior estiveram lá e sabiam que havia sido assinado um termo para a não ocupação. Esse grupo, com o megafone, começou a ameaçar os alunos: “vamos invadir, a escola é nossa”.

Membros desse grupo disseram ter um documento comprovando que a escola estava ocupada. Alguns pais de alunos que estavam participando da ação foram chamados e afirmaram que os filhos não fariam mais parte do movimento.

Depois de horas na porta da escola, de atrapalharem as aulas, de jogarem uma barra de ferro para dentro da escola, o grupo foi embora, ameaçando voltar. Segundo relato de alunos, gritaram no megafone para quem quisesse ouvir: “Nos vamos invadir! A escola está ocupada! Amanha vai ser pior!”.

Professores que presenciaram a manifestação disseram que os que querem ocupar são minoria. O corpo docente tem produzido oficinas e debates para discutir e manifestar o não apoio à reorganização e, também, a indignação  quanto às ocupações. “Quem quer ocupar a escola é um grupo de poucos alunos e outros estranhos à escola. Alguns maiores de idade”, contaram.

A escola ainda fez festa de despedida à fantasia para alunos do ensino médio que a partir de 2016 estudarão na Escola Estadual Brasília Castanho de Oliveira, no Jardim Santa Mena.

Jônatas Ferreira