Atômica é o melhor filme de ação do ano

Por Mateus Petri

Entre 2014 e 2015, o gênero de ação foi revigorado com as estreias de De Volta ao Jogo e Mad Max. O primeiro, dirigido por David Leitch impressionou ao trazer cenas insanas e brutais de confronto. Já o segundo, que conta com a presença de Charlize Theron, inovou ao contar sua história através das mais incríveis e ininterruptas perseguições de carros.

Agora em Atômica, Leitch e Theron unem forças para entregar o que pode ser facilmente classificado como o filme de ação mais marcante de 2017 até o momento.

Ambientado na Alemanha dias antes da queda do muro de Berlim, Atômica retrata a missão de uma agente secreta do MI6 (Serviço Secreto Britânico) que foi incumbida de recuperar uma lista de agentes infiltrados que estava em poder de espiões soviéticos.

O pano de fundo para o filme é uma Berlim extremamente caótica. Capitalistas e socialistas estavam no auge de seu conflito, e os agentes soviéticos infiltrados no país aproveitavam da situação para seguir seus interesses sem serem percebidos.

Não poupemos palavras: Atômica é um baita filme! Bebendo das fontes que o inspiraram a fazer John Wick, o diretor David Leitch refresca a fórmula ao colocar uma mulher para estrelar. Não que Keanu Reeves não tenha mandado bem como John Wick, mas a presença de Charlize Theron traz novas questões e dilemas à tona.

Leitch acerta em cheio na direção das cenas de ação. Ele coreografa muito bem as cenas de luta e as filma bem de perto, fazendo-as ter muito mais impacto. A cena brutal em que Theron, num plano sem cortes, luta contra agentes da KGB dentro de um prédio é onde Leitch nos mostra porque pagamos o ingresso do filme.

Aliás, Charlize Theron em si é outro fator a se notar. Ótima como sempre, a atriz é tão graciosa quanto letal na pele da agente secreta. Ela transmite uma enorme intensidade em todas as suas cenas, seja em um momento mais emocional ou quando está batendo em alguém.

Com uma trilha sonora que conta com músicas sensacionais de David Bowie, Queen, New Order e Depeche Mode, Atômica vem como uma surpresa agradável e muito bem-vinda. Em meio a uma época onde os blockbusters decepcionam cada vez mais, Atomic Blonde (no original) é um exemplo a ser seguido.