Audiência pública debate implantação do rodízio em Guarulhos

Foto: Banco de dados

Reprodução

A implantação do rodízio em Guarulhos foi debatida em audiência pública na tarde de quarta-feira, 10, no Plenário da Câmara e reuniu mais pessoas contrárias do que favoráveis. Convocada pela Comissão Técnica de Trânsito e Transportes, a audiência visava debater o projeto 5516/15 sobre restrição veicular em toda cidade, de autoria do vereador Mauricio Brinquinho (PT), secretário da comissão. “A proposta é dar velocidade e prioridade ao transporte público e uma das ações é a restrição veicular”, disse o petista.

Brinquinho utilizou dados desatualizados da cidade de São Paulo para defender a implantação do rodízio. Sobre Guarulhos, o próprio vereador admitiu desconhecer números exatos sobre a malha viária e pontos de lentidão. Segundo Brinquinho, o município tem uma frota de 600 mil veículos. “As pessoas foram contra, mas não apresentaram propostas para resolver o problema. Então, vou continuar debatendo e estou convencido de que a restrição veicular é uma boa medida”, disse Brinquinho.

O secretário municipal adjunto de Transportes, Celso Masson, posicionou-se contra o rodízio e afirmou que a implantação do Bilhete Único dobrou o volume de passageiros transportados diariamente pelos ônibus. “À medida que avançarmos e concluirmos os corredores preferenciais, o fluxo será muito melhor”, afirmou. Para ele, o rodízio pode trazer prejuízos, sobretudo para empresas que dependem do transporte de cargas.

O coronel PM Érico Hammerschimidt disse que a corporação vê a implantação do rodízio com bons olhos, mas é preciso levar em consideração questões como fiscalização, transporte clandestino, entre outros fatores. “É lógico que esse projeto vai causar antipatia se não houver um plano de mobilidade. A solução mais adequada é o transporte coletivo de boa qualidade”.

Para o inspetor chefe da Delegacia da Polícia Rodoviária Federal, Celso Fernandez, esse projeto vai impactar a população, as empresas, as transportadoras e deve, inclusive, “afugentar” novos investimentos. “Um rodízio que envolva todo município talvez seja muito prejudicial”, disse Fernandez.

Na opinião do comandante da Guarda Civil Municipal (GCM), Luiz Carlos Barreto, o rodízio não seria a solução inicial. “As autoridades devem investir em primeiro lugar no transporte público”, avalia. O presidente do Sindviários, Luiz Carlos Queiroz, disse ser favorável ao rodízio, pois ela é uma ferramenta para melhorar o trânsito. “Já passou da hora de Guarulhos ter rodízio”, disse.

A audiência foi conduzida pelo vereador Edmilson Americano (PHS), presidente da Comissão Técnica de Trânsito e Transportes. Americano não opinou sobre o assunto.

por Renata Moraes