Aumento labial

Por Michele Barbosa

Ter os lábios da atriz Angelina Jolie é o sonho de muitas mulheres e realizá-lo não é impossível, graças aos diversos procedimentos existentes. Recentemente, a sucção a vácuo dos lábios feita com vasilhames ou copos para aumentar os lábios, se tornou febre entre os adolescentes. Todo esse sacrifício é para alcançar a mesma aparência da modelo Kendal Jenner que realizou preenchimento labial com botóx. “Há o risco de formação de fibrose, de granuloma (caroçinhos), cicatrizes e deformidade dos lábios. Como há ruptura de vasos sanguíneos, os hematomas e sangramentos são comuns”, explica Newton Morais, diretor médico e especialista em dermatologia da Mais Excelência Médica. Uma “brincadeira” que pode causar problemas sérios e irreversíveis à saúde e para que não ocorram, é importante procurar um especialista para indicar qual procedimento é necessário.
Nem todos os procedimentos são permanentes, como o preenchimento com ácido hialurônico – um preenchedor reabsorvível (não permanente). “Adultos de ambos os sexos podem se submeter ao procedimento, desde sejam avaliados por um profissional qualificado, que determinará a quantidade, técnica e se há realmente a indicação e descarte possíveis contraindicações ao procedimento.” De acordo com Newton, esse procedimento dá volume, melhora o contorno, reforça o “arco do cupido” (desenho do lábio superior abaixo do nariz), corrige ou suaviza as imperfeições dos lábios.
Agora, para quem busca uma aparência permanente, a cirurgia plástica conhecida como ‘Bardotização’, em referência à atriz Brigitte Bardot, é indicada. Ela aumenta a parte vermelha dos lábios por meio da retirada de uma tira fina de pele, aumentando um pouco os lábios, principalmente naquelas pessoas em que a distância do nariz e dos lábios é curta. “O tempo de cirurgia é de cerca de 40 minutos, com aplicação de anestesia local. No pós-operatório, o paciente precisa ficar sem fazer atividade física e deve ter cuidado com a mastigação. O inconveniente é a cicatriz que fica aparente, o que melhora com o tempo”, explica Roseli Cardinali, médica cirurgiã plástica, membro da ISAPS (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica e Estética).
Outra opção existente é o uso de produtos definitivos que não são absorvidos pelo organismo, como o metacrilato, silicone e PMMA (polimetilmetacrilato). “Eu não os recomendo, pois não tem como prever o comportamento dos compostos utilizados. Eles criam uma reação inflamatória no tecido e com o passar dos anos eles endurecem e o resultado estético não fica bom. Sem contar que não tem como removê-los. É preciso tirar pequenas partes do tecido dos lábios.”
Já os transitórios, em sua maioria à base de ácido hialurônico, de acordo com a cirurgiã, são procedimentos seguros que aumentam os lábios de forma natural. “A densidade do produto é parecida com o tecido dos lábios. Ele ainda estimula a produção e a melhora do colágeno local. É preciso ter bom senso para aplicar e respeitar o desenho dos lábios, caso contrário fica artificial. O resultado dura pouco mais de um ano, já que o produto é reabsorvido pelo organismo.”
Para esses e outros procedimentos é importante enfatizar a importância de se buscar um profissional adequado para não causar complicações irreversíveis.