Fotos: Lucas Costa e Joanah Dark

Foi na gravação de um disco-tributo só com canções de guarulhenses, que a Vitrola Mágica surgiu. Na época, o cineasta Rubens Mello (vocal) convidou Douglas Cruz (guitarra) e Zinho Byl (baixo) para uma faixa e ali eles perceberam uma grande afinidade musical. Ano depois, em 2014, chegaram Eloy Miranda (bateria) e Maximilian Gualberto (guitarra) e, com essa formação, que permanece até hoje, foram convidados para criar uma canção do curta metragem “Carniçal”, com o renomado cineasta e ator José Mojica Marins, o Zé do Caixão.

Numa proposta vintage e muita liberdade musical, o grupo não rotula o próprio estilo, misturando blues, ritmos latinos, hard rock e até uma pitada de arte e erotismo, o que, de acordo com o baixista, revela um “clima de trilha sonora”. E foi essa pegada inusitada que chamou a atenção do Portal R7, listando os caras como uma das oito bandas nacionais independentes que os fãs de música precisam conhecer e veiculando uma entrevista exclusiva.

Banda guarulhense Vitrola Mágica
Da esquerda pra direita: Douglas, Maxx, Rubens, Zinho Byl e Eloy

Recentemente, a Vitrola concluiu seu primeiro EP – sigla para extended play, um CD ou vinil com menos músicas que o normal – o “Volume 1”. Com previsão de lançamento no primeiro semestre de 2017, ele foi gravado no estúdio HBC Records e conta com 5 canções inéditas, entre elas “Teu nome é mulher”, além de uma versão alternativa desta mesma faixa na versão feita para o curta.

Quer acompanhar de perto o lançamento do EP? Curta a página da Vitrola Mágica no Facebook!