Calor excessivo provoca infestação de siriris em vários bairros de Guarulhos

Foto da internauta Maria Conceição Hatz, feita num dos pátios do Colégio Clip - VC Repórter/Click Guarulhos

A internauta Maria Conceição Hatz, que trabalha no Colégio Clip, na Vila Progresso, encaminhou ao Click Guarulhos a foto acima, feita na manhã desta terça-feira, 10, num dos pátios do colégio, com o seguinte texto:”Guarulhos adormeceu e acordou com uma infestação de cupins como nunca vi”.

De fato, desde ontem à noite foi notado na cidade uma infestação de “siriris” (cupins na fase alada) ao redor das lâmpadas em diversos bairros.

“Notei que eles voavam e depois caíam no chão. Quando desciam perdiam as asas e aí procuravam entrar na madeira. E tinha pássaros se banqueteando”, contou ela.

Segundo o Blog do Curioso, do jornalista Marcelo Duarte, a volta do calor dos últimos dias “trouxe com ele uma velha chateação: basta deixar uma fresta da janela aberta para receber uma invasão de siriris (ou aleluias, bichos da luz, cupins de lâmpada, dependendo da região do país onde você mora) atordoados em torno de uma lâmpada. Além do barulho e do incômodo, o inseto ainda fica espalhado pelo chão depois de rondar insistentemente a luz”.

Mas, afinal de contas, o que são os “siriris”? De onde eles vêm e para onde eles vão? Por que são tão fixados em pontos de luz? O Blog do Curioso fez essas e outras perguntas para o biólogo Guilherme Dominichelli, autor do livro “Girafa tem torcicolo? e outras perguntas divertidas do mundo animal”. Leia abaixo as curiosas respostas:

Fase alada: assim que os siriris perdem as asas e caem no chão se tornam cupim de madeira – Divulgação

O que são os siriris?

São cupins em sua fase alada. Logo que nasce, o cupim ganha asas e se torna um siriri.

Esse voo, que acontece em dias quentes, geralmente no final da tarde e ao anoitecer, serve para o macho e a fêmea reprodutores se encontrarem. É uma espécie de voo de acasalamento. Essa fase dura pouco tempo. Assim que ele perde as asas e cai no chão, o siriri se torna um cupim.

De onde eles vêm?

Direto do cupinzeiro. Eles saem para iniciar uma nova colônia. Depois da grande revoada, que chama a atenção pela quantidade de siriris, o casal pousa no solo, perde as asas e procura por um abrigo para formar esse novo ninho.  Esse tipo de cupim procura por madeira seca ou interior de madeira. Há uma incidência alta nas grandes cidades.

Por que a fixação pela luz?

Na verdade, os siriris sabem se locomover e se guiam pela luz natural, da Lua. Então a luz artificial acaba desviando o animal do caminho e eles ficam girando por ali.

É normal os siriris aparecerem quando a temperatura aumenta, mas quando permanece quente por vários dias não. Por que isso acontece?

Porque as altas temperaturas diminuem o tempo de vida alada. Quando esquenta muito, o siriri perde as asas, cai e vira cupim. Mas vale ressaltar, não é a mesma espécie de cupim de terra, o cupim subterrâneo, que come grama.

Qual é a melhor forma de espantá-los?

Apagar a luz resolve. Se ficar no escuro, o siriri irá se guiar em direção a alguma luz externa e vai embora.

Qual é o tempo médio de vida?

Na fase alada dura poucos dias. Depois que vira cupim ele vive por mais alguns meses.

Os siriris podem causar algum mal ao ser humano?

Não. O siriri não pica, não morde, nada. O siriri não traz nenhuma doença. O problema é, depois que vira cupim, ele irá fazer um ninho em algum móvel. O risco é esse.

*Com informações do Blog do Curioso