Candidatos a governador de SP debateram na TV Record

A convite da Assessoria do candidato do PRTB ao governo paulista, Rodrigo Tavares, que é guarulhense, fui assistir ao debate promovido pela TV Record na tarde deste sábado.

Participaram: Luiz Marinho (PT), Márcio França (PSB), Marcelo Cândido (PDT), Rodrigo Tavares, Lisete Arelaro (PSol), João Dória (PSDB) e Paulo Skaf (MDB). O debate foi mediado por Rodrigo Bottino e os três blocos foram compostos por perguntas de candidato a candidato, com direito a réplica e tréplica.

No geral, o clima foi amistoso, com os candidatos respondendo sobre melhorias que pretendem implantar no governo do Estado, caso eleitos. Porém, praticamente nenhum deles explicou como cogitam viabilizar a realização das propostas.

Foi perceptível que Tavares e Skaf entabularam uma troca de gentilezas, o mesmo acontecendo até certo ponto entre Marinho, França e Cândido, provavelmente com vistas a possíveis acordos no segundo turno.

Clique no link do vídeo para assistir à pergunta de Rodrigo Tavares e resposta de Paulo Skaf: https://youtu.be/8astv4GaN2k

A mesma política de aproximação pôde-se notar quando coube a João Dória fazer perguntas a Tavares, a ponto de repetir em dois momentos a mesma questão ao candidato do PRTB sobre segurança pública.

Os momentos mais vibrantes se deram nos embates entre o governador atual, Márcio França, e o ex-prefeito da Capital, João Dória; e entre Dória e Marinho.

França foi incisivo contra Dória, ao cobrar dele o rompimento do compromisso de cumprir até o fim o mandato de prefeito. Marinho também citou que o adversário abandonou o cargo após um ano e quatro meses, sem ter desempenhado quase nada que havia prometido em campanha. Dória o corrigiu, dizendo que foram um ano e cinco meses. Os dois erraram: Dória ficou apenas um ano, três meses e cinco dias como prefeito, transmitindo a função ao vice, Bruno Covas (PSDB), em 6 de abril de 2018, conforme determina a legislação eleitoral. Dória reagiu dizendo que em sua curta gestão fez mais na Prefeitura do que Fernando Haddad, candidato do PT à Presidência, fez em quatro anos.

Marinho referiu-se a uma condenação de primeira instância sofrida por Dória, que respondeu citando que o ex-presidente Lula foi condenado em segunda instância e está preso.

João Dória fugiu de responder sobre acusações que pesam sobre o PSDB e Geraldo Alckmin, candidato a presidente. Márcio França fugiu de responder sobre a situação do Estado após 24 anos de governos tucanos. Paulo Skaf fugiu de responder sobre seu partido ser o mesmo do presidente Michel Temer e de políticos presos, como o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

Em diversos momentos, apoiadores de Marinho, de Dória e de França manifestaram-se ruidosamente, obrigado o mediador a pedir moderação e a restituir o tempo ao candidato que estava com a palavra.

Rodrigo Tavares aproveitou todas as oportunidades para citar seu sogro e presidente do partido, Levy Fidelix, citando o número com o qual ele é candidato a deputado federal. Talvez tenha pecado pelo exagero e fosse mais diplomático se citasse a importância de eleger uma boa bancada, mencionando apenas o número do PRTB.

Após o final do debate, Tavares falou rapidamente ao Click Guarulhos. Para assistir, clique no link https://bit.ly/2xLkKn2

 

Valdir Carleto