Coluna do Carleto – 10.08.2018

ANULAR É ANULAR-SE
Na semana passada, escrevi sobre o voto nulo ou branco, pois as pesquisas indicam que um terço da população não sabe em quem votar nem para a Presidência da República ou pretende abrir mão do voto. Internautas responderam que não adianta votar, pois nada muda.

SOLUÇÃO PARA O PAÍS
Insisto que o que não muda é anular o voto. A solução não é abrir mão do voto, mas votar de forma diferente do que é hábito de boa parte do povo. É preciso votar, escolhendo com critério, examinando a vida do candidato, como ele age na profissão que exerce, ou o que fez do mandato, caso já esteja no poder.

INFORMAÇÃO FAZ DIFERENÇA
Não é justo dizer que todos os deputados, por exemplo, nada fazem. São raras as exceções, mas existem. E é evidente que entre os novos nomes há pessoas que merecem a oportunidade de mostrar serviço.

O QUE NÃO PODE
O que precisa mudar, já, é o hábito de votar em troca de alguma coisa, mesmo que não seja dinheiro. Trocar voto por emprego ou qualquer favor é ser corrompido. Votar em quem gasta muito em campanha é pedir para ser roubado no futuro.

OPORTUNIDADE
Quem assistiu ao primeiro debate entre os presidenciáveis na noite de ontem na TV Band pôde começar a ter mais base para escolher em quem votar ou não. Quem não viu deve procurar uma forma de saber o quê cada um disse e analisar com cuidado.

SAI KAMEI, ENTRA KUBO
O secretário de Administração e Gestão de Guarulhos, Eduardo Kamei Yukisaki, deixou o cargo nesta semana para atuar na campanha eleitoral do presidente da Câmara, Eduardo Soltur. Em seu lugar, assume Adam Kubo, que fazia parte da SDCETI. Com sólida formação acadêmica, Kubo tem pela frente sérios desafios, para os quais está preparado.

DESAFIO IMENSO
De quem se espera muito é da nova titular da Secretaria da Saúde, a médica Ana Cristina Kantsos. Sua área é a que mais tem gerado queixas da população. E, a julgar pela prestação de contas que recebi e postei no portal Click Guarulhos da dupla que a antecedeu, os médicos Sérgio Iglesias e Graciane Figueiredo, não é por falta de empenho deles, mas porque, de fato, havia e há muito a resolver nesse campo na cidade. Até porque milhares de guarulhenses perderam seus planos de saúde e passaram a se valer da rede pública. Espera-se que as verbas da Saúde, que não são poucas, sejam sempre aplicadas de forma eficiente e eficaz.