Coluna do Carleto – 14.09.2018

FINALMENTE!


Há anos, um terreno público, no fim da rua Barbosa Ferraz, no Jardim Santa Clara/Santa Cecília, transformou-se em depósito de entulho. Até que um infrator foi flagrado e assinou um acordo para limpar o local, que será reurbanizado pela Secretaria de Serviços Públicos. Bom exemplo.

JÁ ESCOLHEU?
Aproximam-se as eleições e, aos poucos, vai reduzindo o número de indecisos, principalmente na escolha de quem assumirá o Palácio do Planalto em janeiro. Os candidatos esforçam-se para mostrar seus dotes, na esperança de conquistar novos adeptos, já que ainda é cedo para alguém cantar vitória. Muita água ainda pode passar por debaixo dessa ponte eleitoral.

QUAL SUA PESQUISA?
Nos últimos dias, diversas pesquisas têm sido divulgadas, tanto para a Presidência da República quanto para o governo do Estado. Com exceção da dianteira demonstrada pelo candidato do PSL, Jair Bolsonaro, em todas elas, os que disputam o segundo lugar no provável segundo turno têm aparecido geralmente na mesma sequência, praticamente empatados, dentro da margem de erro.

REVEZAMENTO
Dependendo do plano amostral de cada pesquisa, há pequenas divergências entre uma e outra. Em geral, Ciro Gomes (PDT) surge em segundo, seguido de muito perto por Marina (Rede), Alckmin (PSDB) ou Haddad (PT). Em algumas, Marina já cede o lugar ao petista e/ou ao tucano. Circunstâncias regionais podem explicar os motivos pelos quais haja essas diferenças. Ou será que alguns institutos torcem um pouco para um ou outro candidato? Se houver esse interesse, é fácil mexer no tabuleiro: basta ouvir mais eleitores da região onde o preferido tem mais votos.

NÃO DÊ BOLA PRA ISSO
Mais importante do que basear-se nas pesquisas para decidir o voto é que o eleitor escolha de acordo com sua real preferência: analise as qualidades e defeitos de cada candidato e vote com consciência.

GOVERNO DE SP
Com mínimas diferenças, as pesquisas de intenção de voto para o governo paulista têm apontado os candidatos João Dória (PSDB) e Paulo Skaf (MDB) em situação de empate, ainda distantes do atual governador, Márcio França (PSB), que busca a reeleição. Contra Dória pesa o fato de ter abandonado a Prefeitura paulistana sem sequer ter esquentado a cadeira e sem ter mostrado efetivos resultados em sua gestão. Contra Skaf, para muitos eleitores fica claro que ele sempre se vale da estrutura do Sesi e do Senai para aparecer. França ainda é pouco conhecido da população, mas evidentemente alimenta a esperança de conquistar os que torcem o nariz para os outros dois.

ENIGMA AMOÊDO
Há quem aposte que o candidato do Partido Novo, João Amoêdo, possa ser um azarão na eleição deste ano, apesar do minimíssimo tempo no horário eleitoral. Se tem real chance, não se sabe, mas um pontinho a mais no resultado dele pode influenciar para definir quem irá ou não para o segundo turno. O fato de ser arquimilionário desperta simpatia, pela perspectiva de quem não teria motivo algum para se corromper. Mas, também gera antipatia dos que abominam o mercado financeiro, onde ele conseguiu juntar sua invejável fortuna.

NOVO NO JEITO
Ainda que muitos apontem semelhanças entre o discurso de Amoêdo e o do famigerado Fernando Collor, uma diferença primordial o Partido Novo tem: não aceitou filiar ninguém que já tivesse mandato. O prejuízo que isso causa é a falta de recursos do Fundo Partidário.

E PRA DEPUTADO…
Em um trabalho exaustivo, a Revista Weekend apresenta aos eleitores um panorama quase completo de quem são os candidatos da cidade a deputado estadual e federal. Alguns estão mal informados ou não deram importância à oportunidade de se apresentar à população. Fizemos nossa parte. Agora, cabe aos eleitores analisar cuidadosamente e votar conscientes, pois não adianta nada escolher bem quem vai comandar o Poder Executivo, se os Legislativos estiverem repletos de gente que só vê seus próprios interesses e não os do povo. Confira logo mais no Click Guarulhos.

SENADO TEM 2 VAGAS
É de suma importância escolher bem os candidatos ao Senado, pois muitos projetos aprovados na Câmara dos Deputados acabam barrados ou alterados pelos senadores. Neste ano, vota-se em dois candidatos para o Senado. Há bons nomes. E vale pesquisar também quem são os suplentes de cada um deles.