Coluna do Carleto

AGL 40 ANOS

Em solenidade no auditório “Menino Maluquinho”, da Bienal do Livro, a Academia Guarulhense de Letras (foto) comemorou, na quarta-feira, 5, seus 40 anos de atividades. Presidida por José Augusto Pinheiro, a entidade lançou a edição 2018 de sua Revista, contendo artigos, poemas e crônicas de diversos de seus membros. Exemplares da atual edição e de anteriores podem ser retirados sem custo no estande da AGL na Bienal.

EFEITO COLATERAL

Ficou muito boa a revitalização da área que era ponto viciado de despejo de entulho no Jardim Santa Cecília, e agora é um belo jardim. Porém, os malfeitores da região agora espalham os detritos em outras vias do bairro.

TEMPO DEMAIS

Técnicos da Secretaria de Transportes e Mobilidade bem poderiam fazer uma experiência, em alguns cruzamentos, reduzindo drasticamente o tempo em que o semáforo fica aberto para cada sentido. Como é hoje, os motoristas sabem que irá demorar para abrir e acabam se distraindo com o celular. Quando o sinal abre, muitos nem percebem e isso provoca congestionamento. Pode-se começar a experimentar onde ainda não há semáforo com mostrador do tempo que falta para abrir.

EM ESTUDO

Conversando com o empresário Júnior Araújo, recém-eleito presidente da Asec (Associação dos Empresários de Cumbica), comentei sobre a ideia de implantar mão dupla em um pequeno trecho da avenida Monteiro Lobato, na confluência com avenida Santos Dumont. Em conjunto, vamos elaborar um desenho da área, para propor a mudança à Prefeitura, como forma de desafogar a rua Brigadeiro Mário Perdigão.

PRESENTE PARA A CIDADE

Como Guarulhos aniversaria, eu sonho com um presente que a população poderia dar a ela. Que cada morador resolvesse cuidar bem da área situada em frente a sua moradia. Que cada um recolhesse os detritos, em vez de varrê-los para a rua. Que ninguém mais jogasse lixo nas vias públicas, nem acumulasse entulho em terrenos baldios. Será pedir demais?

OUTRO PRESENTE

Sonho também com o dia em que cada pessoa irá procurar fazer o melhor que estiver ao seu alcance no desempenho de suas funções. Que cada representante eleito pelo povo zele pelo dinheiro público, nomeando em sua assessoria apenas pessoas competentes e que estejam de fato com vontade de trabalhar. Que cada funcionário público, mesmo tendo estabilidade, atue como se tivesse de cumprir metas permanentes e que entenda que o contribuinte merece todo respeito, pois é quem paga seu salário. Será esse um sonho impossível?