Como ensinar as crianças a respeitar o meio ambiente

Por Tamiris Monteiro
Fotos: banco de imagens

Você sabia que cerca de 20% de todas as mortes de pessoas antes do tempo são ocasionadas por problemas de degradação ambiental? Isso é o que aponta uma pesquisa da ONU que está no relatório “Meio Ambiente Saudável, Povo Saudável” (Healthy Environment, Healthy People). As principais causas evitáveis de morte que o estudo cita são doenças diarreicas, malária, infecções respiratórias, obstrução pulmonar crônica, doenças cardiovasculares, cânceres e outras. A poluição do ar, por exemplo, causa sete milhões de falecimentos por ano. Ou seja, os danos causados ao meio ambiente não afetam somente a natureza, mas também os seres humanos.

psicologa-vanessaAgora, vem a segunda pergunta: O que você tem feito para mudar essa situação? Pode parecer que não há muito a fazer, mas ensinar as crianças a terem uma relação de respeito com a natureza, talvez, seja um grande passo para um futuro ambiental mais consciente. “É na infância que a criança cria hábitos saudáveis, vivenciando uma boa relação com o meio ambiente; por isso, é importante que façam parte da cultura familiar: a reciclagem, o consumo consciente de recursos naturais e materiais e a reutilização de recursos.

Infelizmente, hoje as crianças estão cada vez mais consumistas e já estamos no sinal de alerta. Sendo assim, é preciso orientá-las bem e ensinar os três erres: reduzir, reciclar e reutilizar”, explica a psicóloga Vanessa Simões, que atua no Instituto Psicológico Recomeçar.
A bióloga Kátia Cristina dos Santos sabe bem como a conscientização pode transformar os pequenos e aplica a educação ambiental na criação da filha Ana Beatriz, de seis anos. “Aos 19 anos, tive meu primeiro filho; eu era muito jovem, e ainda não tinha a preocupação que tenho hoje com o meio ambiente. Às vezes brinco dizendo que a minha geração contribuiu demais para os problemas ambientais que estamos vivendo, por total falta de conhecimento, claro. Não tive nenhuma noção de educação ambiental na época do colégio; nem a minha mãe, nem minha professora me ensinaram que eu deveria escovar os dentes com a torneira fechada ou que eu não deveria ter um pássaro preso na gaiola. Hoje, com mais maturidade, e também por ter me graduado na área ambiental, tenho um olhar diferente e tento passar para a Ana Beatriz, que é minha caçula”, conta.

Para a psicóloga Vanessa Simões, em casa os pais devem ficar atentos com tudo, desde o consumo consciente da água e energia até a reutilização de recursos. “Jogamos muitas coisas no lixo, que poderiam ser reutilizadas para outros fins. No dia a dia, é possível explicar sempre para a criança cada conceito. Além de fazer tudo na prática, o que é muito mais fácil para a criança compreender e interagir. Acredito que quanto mais informações eles tiverem, mais eles se apropriam da preservação e respeito ao meio ambiente. Por isso, vivenciar atividades perto da natureza os aproxima dessa relação e faz a criança perceber o quanto somos dependentes dos recursos naturais”, pontua.

Geralmente, o comportamento dos pais é copiado pelos filhos, por isso é essencial destacar que o exemplo é o melhor caminho, considerado uma arma a favor da educação responsável. “A Ana Beatriz foi morar em uma chácara quando tinha apenas um ano; saiu de lá com cinco e assim criou-se o hábito de conviver com bichos, floresta e toda aquela natureza, mas sempre a orientei que deveria amar e respeitar todas as formas de vida. Essa orientação era constante; foi assim que tudo começou em relação à educação da Ana, inclusive na alimentação. Sempre mostramos o que era bom de comer e o que não era. Ela foi conhecer refrigerante com quatro anos, hoje ela sabe o gosto, mas sabe que não é bom. Ela só escova os dentes utilizando uma caneca, tem agonia quando está com um lixo na mão e não encontra lixeira, fica indignada com lixo no chão quando vai a algum evento, sabe que não pode arrancar ou quebrar galhos de árvores, adora pintar uma garrafa, porque sempre me viu fazendo isso e sabe que tem que ser rápida no banho”, enumera os vários hábitos da filha.ensinando-crianca-a-respeitar-o-meio-ambiente

Sai a mãe, entra a bióloga

“A maior lição que tento passar para a Ana, e para todas as crianças com quem eu trabalho, é o amor e o respeito. Oriento que o cachorro, a árvore e qualquer outro ser vivo sentem dores assim como nós; logo, necessitam de amor e cuidado. Oriento que os recursos naturais podem sim se esgotar e temos que utilizá-lo com consciência. Temos que mudar a situação precária em que se encontra nosso planeta: não basta desenvolver tecnologia de modo sustentável, temos que mudar padrões de consumo e estilo de vida. Cabe aos pais e professores observar que estamos em uma nova era, em que as crianças são mais questionadoras, mais vivas; portanto, temos que aproveitar o que elas têm de melhor, para fazer o melhor por elas. As crianças bem informadas sobre meio ambiente serão adultos preocupados. Necessitamos de jovens mais comprometidos com a vida e com as questões ambientais. Senso assim, acredito que a educação ambiental tem que ser implantada em todos os níveis de ensino, se não como disciplina, ao menos como temas a serem discutidos”, ressalta Kátia.