Como evitar e tratar o mau hálito

A man killing a potted flower with his bad breath --- Image by © ImageZoo/Corbis
A man killing a potted flower with his bad breath — Image by © ImageZoo/Corbis

O mau hálito, também conhecido como halitose, é um dos problemas de saúde mais constrangedores, tanto para quem o tem como para aqueles que convivem com quem tem. Segundo a dentista Vilma Aparecida Queiroz, da clínica Belo Sorriso, o odor desagradável provindo da boca atinge em média 40% da população e pode ser um sinal de que existe alguma disfunção orgânica ou fisiológica.

Para a dentista, normalmente quando o paciente tem halitose sem problemas bucais aparentes, como por exemplo uma doença periodontal, não é fumante e tem uma alimentação correta, é possível que a mesmo esteja relacionada com algum problema gástrico, que precisa ser investigado.

Tratamentos
A halitose ou mau hálito necessita de tratamento. “O primeiro passo para extinguir o desagradável odor é descobrir a sua origem, identificar a causa com uma investigação inicial que inclui exames detalhados da boca. Também é necessário conhecer o histórico médico do paciente. Com essas informações, é possível fazer um planejamento para o tratamento mais adequado”, afirma Vilma. Se não tratado, o mau hálito pode evoluir para problemas mais sérios como a perda dos dentes, caso a halitose seja resultado de uma doença periodontal, além de problemas sociais, uma vez que muita gente, ao perceber que está com halitose, opta por ficar mais calada e por consequência retraída.

Prevenção
O mau hálito pode ser evitado com a prevenção. “Deve-se ter cuidados com a higiene bucal, escovar os dentes e língua após as principais refeições, fazer uso da fita dental, de enxaguatório bucal, além de beber bastante água, alimentar-se a cada três horas, incluindo alguns alimentos como maçã, abacaxi, cenoura, ameixa e alimentos ricos em fibras na dieta diária. Também é importante uma higienização periódica, com um profissional, para a remoção da placa bacteriana, conhecida como tártaro”, explica a dentista.

Eu estou com bafo?
Normalmente quem sofre com mau hálito não sente o odor que a própria boca exala, mas para saber se você está ou não com o problema, o melhor é perguntar a uma pessoa próxima e sincera ou utilizar um aparelho medidor e avaliador de hálito. Outra alternativa, mais fácil e segura, é visitar o dentista para fazer um check-up da boca.

Saia justa
Muita gente que convive com alguém que sofre de halitose, seja no trabalho, convívio familiar ou entre amigos, fica constrangida de conversar com a pessoa sobre o problema, o que acaba gerando uma verdadeira “saia justa”, já que é muito difícil tolerar o mau odor. “Por se tratar de um assunto delicado, o ideal é que a halitose seja alertada por familiares mais próximos. Em outra situação, é preciso ter a certeza do grau da confiabilidade e intimidade para comunicar com delicadeza o problema do mau hálito, usando sempre o termo halitose que soa menos agressivo”, finaliza Vilma, ao dar a dica de como falar sobre o assunto.

Para descontrair
Se você é do tipo que encara as coisas com bom humor, uma dica divertida é assistir ao vídeo do canal Porta dos Fundos sobre o tema: www.portadosfundos.com.br/video/bafo. Isso não irá curar o problema, mas é garantia de boas risadas.