Por Tamiris Monteiro
Fotos Banco de imagens

Em 2014, os brasileiros gastaram mais de R$ 800 milhões na Black Friday e, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), a expectativa para a edição de 2015 é de um faturamento superior a R$ 1 bilhão. Apesar da crise, por causa dos descontos – estratégia responsável pela popularidade da data -, o comércio espera vender bem, tanto nas lojas físicas quanto nas virtuais.

Vale pontuar que o mercado americano criou o evento para zerar os estoques de mercadorias encalhadas ou com baixo giro para liberar espaço para produtos com maior apelo e margens de lucro, fazendo valer as vendas de Natal das semanas seguintes. Sendo assim, é importante que o consumidor saiba que é bastante comum que estabelecimentos explorem a data para vender o que for mais conveniente para eles. “São produtos nos quais seja absolutamente útil e viável torrar as margens”, explica Fabrizzio Topper, sócio fundador da Topper Minds, empresa de consultoria focada em negócios integrados do varejo nas plataformas de vendas.

Portanto, o ideal é que quem pretende aproveitar a Black Friday seja cuidadoso nas escolhas. Outro ponto destacado por Fabrizzio é o comportamento do consumidor, que não permite mais ser enganado como nas primeiras edições da promoção, conhecida como Black Fraude. “Eu aumento os preços num período antes e depois baixo para criar a ilusão de redução de preço ou promovo meus produtos como se fossem oportunidades únicas, quando na realidade não é bem assim. Os consumidores não são tão inocentes e por esse motivo as lojas precisam estar atentas para não transformar o cliente em um inimigo”, comenta.

A fraude nos preços não é o único problema. Thiago Hyppolito, engenheiro de produtos da Intel Security, comenta que com a crescente popularidade da Black Friday e o grande volume de transações bancárias envolvidas, é esperado que os cibercriminosos preparem diversas armadilhas para os compradores mais desavisados, como a criação de sites fraudulentos, a divulgação de ofertas falsas, o envio de vírus em e-mails e o furto de dados.

Para o especialista, vários fatores devem ser observados para não se tornar vítima. “Muitas pessoas se impressionam com as ofertas anunciadas e esquecem de tomar os devidos cuidados para se proteger de fraudes. O dispositivo usado, o e-mail recebido, o site em que será realizada a compra e até a rede em que você está conectado podem oferecer vulnerabilidades e precisam de atenção para que as compras sejam realizadas de forma bem sucedida e sem complicações futuras”, afirma Hyppolito.

Algumas dicas para não ser enganado

» Pesquise os preços com antecedência

Muitas lojas aumentam os preços na proximidade da data para depois dar um desconto que na realidade não existe. Pesquise os preços do que pretende comprar e use sites e aplicativos que permitem checar a alteração dos preços dos produtos.

» Desconfie de ofertas boas demais

Em um golpe bastante comum, criminosos criam sites de lojas falsas que fazem a venda, mas não entregam os produtos. Se uma oferta anuncia, por exemplo, um smartphone por um preço muito menor do que ele custa normalmente, alguma coisa está errada.

» Não compre em sites desconhecidos ou suspeitos

Pesquise sobre a reputação da loja em sites de reclamação na internet e verifique se a loja tem telefone e endereço físico.

» Mantenha seus dispositivos atualizados

Use software de segurança abrangente em todos os seus dispositivos

» Não clique em links recebidos por email

Nesta época muitas pessoas recebem emails com ofertas da Black Friday. É importante nunca clicar em um link recebido por email, pois pode direcionar para um site fraudulento ou instalar vírus na máquina. Ao receber uma boa oferta por email, procure no navegador o site oficial da loja para checar se a oferta é verdadeira.

» Nunca faça compras conectado em redes wi-fi públicas

Os hackers conseguem facilmente interceptar dados de redes abertas ou até mesmo criar redes com nomes similares aos de estabelecimentos como cafés, restaurantes, hotéis e aeroportos para roubar os dados que trafegarem nessas redes.

» Muito cuidado com o phishing

É uma categoria de golpe on-line que tenta obter informações pessoais das vítimas. Durante a Black Friday, cibercriminosos enviam e-mails falsos de endereços aparentemente legítimos, persuadindo os consumidores a revelar informações pessoais, pedindo para verificar os dados de uma compra on-line ou solicitando o cadastro para obter um desconto especial.

Oportunidade: fique de olho na semana da Black Friday

Para os lojistas, uma das práticas mais recomendadas é estender o período de ofertas promocionais para a semana toda que se inicia na Black Friday, e não apenas deixá-las ativas na sexta-feira em si. Assim, é possível otimizar o apelo promocional, dando tempo para a base de clientes reagir às ofertas das diversas categorias e combinações de possíveis produtos. Esse prolongamento é uma boa oportunidade para os consumidores.

Quer ler outras matérias desta edição da Revista Weekend? Acesse!