Dicas para ter um perfil atraente no LinkedIn

Fundado em dezembro de 2002, o LinkedIn é uma das redes sociais mais famosas do mundo. Diferente de outras plataformas, no entanto, o foco da rede é manter relações corporativas e contatos de trabalho. Para se ter ideia da importância do site, hoje, existem empresas que só contratam pelo LinkedIn. Porém, muitos perfis são genéricos ou incompletos e os empregadores encontram dificuldades na hora da avaliação. Ou seja, ter um bom perfil pode fazer a diferença, além de ser um sinal de interesse, dedicação e preocupação com o contexto profissional.
Só no Brasil são cerca de 29 milhões de usuários, número superado apenas por Estados Unidos e Índia. Por isso mesmo, a construção de um perfil atraente é fundamental para colocação ou recolocação no mercado de trabalho. Mas, diferentemente do currículo tradicional, o perfil do LinkedIn é dinâmico. Ele acompanha o crescimento de cada usuário e traz outras informações, afora a experiência profissional, que ajuda as empresas a conhecerem a pessoa de maneira mais completa. Por isso, o LinkedIn deve ser atualizado com freqüência.

Sócios da VerticoHuman Capital, com amplo conhecimento do mundo corporativo, Roberta Giuliano e Jonathan Yung listam algumas dicas para ter uma página atraente no LinkedIn.

•Experiência nenhuma, nem mesmo o curso mais bacana do momento, consegue fazer com que os erros de português e inglês sejam perdoados. Escrever corretamente é primordial;

•Por mais interessante que se queira deixar o perfil, mentir nunca é uma alternativa. Há vagas para todos os tipos de profissional e, por isso, não há necessidade de inventar cursos ou experiências anteriores, por exemplo;

•Ser objetivo é fundamental e o melhor caminho para chamar a atenção para o que se quer destacar no currículo;

•Na hora de escolher uma foto para o perfil, nada de imagens na praia tomando aquela cerveja com os amigos. O ideal é apostar em fotografias com estilo corporativo ou em seu ambiente de trabalho;

•Para facilitar a ação das empresas e recrutadores, o melhor é sempre ter apenas um perfil no LinkedIn para evitar que um desatualizado, por exemplo, acabe sendo consultado;

•Toda vez que mudar de trabalho, realizar algum projeto relevante ou iniciar/concluir um curso, por exemplo, é importante atualizar o perfil. Mantê-lo em dia pode criar novas oportunidades;

•Para os recrutadores é interessante ver resultados concretos dos trabalhos realizados pelo dono do perfil. Nesta hora, seja personalista e liste seus projetos e os resultados alcançados por você;

•É preciso ter em mente que o LinkedIn pode ser o primeiro contato para aquela sonhada posição e que ele dará ao recrutador as primeiras informações sobre quem você é. Por isso, atenção com gírias, informalidade e experiências compartilhadas;

•Para mostrar seus conhecimentos, vale escrever artigos sobre temas relevantes para o segmento em que atua. Um texto bem escrito e embasado pode ser um bom cartão de visitas.

#FICADICA

Perfis com foto são 14 vezes mais vistos. O retrato não precisa ser necessariamente formal: leve em conta seu meio de trabalho e, principalmente, sua identidade.

Tenha perfis em mais de um idioma. O LinkedIn oferece a possibilidade de abrigar perfis em línguas diferentes dentro da mesma URL. Basta clicar na seta ao lado do botão “Ver perfil como” e selecionar a opção “Criar perfil em outro idioma”. O site espelha as informações atuais e você só precisa traduzi-las.

Personalize sua URL e apareça antes no Google. Ao customizar o link com seu nome profissional, você ganha uma assinatura mais concisa e sobe nas pesquisas. Para editar, selecione o ícone de ajuste ao lado da URL que o LinkedIn disponibiliza, logo abaixo da foto. Se seu nome for muito comum e você não se incomodar, opte pelo mais exótico para se destacar entre os homônimos.

Com a palavra, o especialista

  • Para um estudante, que está iniciando a vida profissional, qual é a melhor maneira de montar um perfil no LinkedIn?
    “É sempre importante deixar bem claras as áreas de interesse e de estudo e incluir todos os cursos já realizados, além de línguas e intercâmbios. Mostrar atribuições mais técnicas também pode ser uma estratégia interessante”.
  • Como as pessoas podem pedir referências e depoimentos? O quanto isso pode ajudar?
    “As referências e depoimentos têm de agregar valor ao perfil do candidato, por isso, a não ser que seja a de um ex-chefe ou, no caso dos estudantes, de um professor, é melhor evitar. Um depoimento pessoal de um colega de trabalho ou de classe, por exemplo, não será avaliado como importante”.
  • Como, geralmente, as empresas chegam até candidatos de interesse?
    “Via rede social e também por indicações internas; algumas empresas, inclusive, remuneram os colaboradores cuja indicação é efetivada”.