E.E. Deputado José Storópoli premia poesias vencedoras

A Escola Estadual Deputado José Storópoli, no Jardim Santa Terezinha, região do Jardim São João, promoveu ontem a premiação do seu XIII Festival de Música e Artes, dividido em três categorias: sextos e sétimos anos, oitavos e nonos anos; e ensino médio.

O corpo de jurados foi formado por duas professoras da casa, uma professora que é ex-aluna e pelo jornalista Valdir Carleto, editor do portal Click Guarulhos e das revistas Weekend e RG (Revista Guarulhos).

Entremeando as declamações dos poemas de autoria dos alunos, foram feitas apresentações musicais e esquetes teatrais, mesclando estudantes e professores.

Os três primeiros colocados em cada categoria receberam troféus. O certame mobilizou toda a comunidade escolar. Pais de alunos compareceram ao evento e puderam apreciar o empenho dos estudantes e professores na realização.

Publicamos a seguir as poesias vencedoras:

poesia juradas

 

CATEGORIA 6os. E 7os. ANOS

 

1º lugar – Bárbara O. de Arruda – 7º ano C

 

ELE É OU NÃO?

Ser cidadão é ter direito,

E com cada um devemos ter respeito.

Seja pai, mãe, avó ou avô,

Filho, filha, prima ou sobrinha.

 

Mas, muitos se perguntam:

Faço certo ou errado?

Fico feliz ou estou preocupado?

 

Mas, a pergunta principal é :

Eu sou um cidadão?

Se sou, como posso ajudar?

Se não sou, como posso me transformar?

 

Muitas perguntas se formam

E muitas se renovam,

Mas tem gente que não entende

O que é ser gente!

 

A importância do cidadão,

É ter compaixão e cumprir

A sua obrigação!

 

Tem gente que se considera cidadão,

Mas nunca cumpre a sua obrigação.

Então, eis a questão:

Ele é ou não?

 

 

 

 

 

 

 

2º lugar – André H. Matos –  6º ano C

 

MEU SONHO

 

Coisas que todos têm

Coisas pelas quais todos lutam

Eu quero lutar também

Meu sonho é ser artista

Poeta, verdadeiro

Conquistar as emoções

Do mundo inteiro

 

Quero que tenham orgulho de mim

Ser reconhecido enfim

Aguentar dores, sofrimentos e agonias

Um simples sonho

É isso que faz

Com muita alegria

Um ser lutar

Pela sua cidadania

 

 

 

 

 

3º lugar – Mayara de Freitas – 6º ano B

 

A LUTA PELA CIDADANIA

 

Muitos cidadãos lutam

Pela sua cidadania.

Eles querem ter os seus direitos,

Como saúde, educação e moradia.

Ser cidadão é ter deveres,

Como pagar impostos,

Colaborar com a limpeza e

assumir suas despesas.

Usufruir seus direitos

Também é cidadania

O atendimento preferencial

E até mesmo segurança

Faz do homem cidadão

Um ser com autonomia

 

 

 

 

 

 

CATEGORIA 8os. E 9os. ANOS

 

 

 

 

 

1º lugar – Vitória D’Avila – 9º ano D

 

LUTA POR UMA TERRA PURA

 

Temos poucas coisas

E tantas coisas querem nos tirar

Eles tentam nos impedir de agir

Mas não podemos nos impedir de pensar

 

Defendendo o que é nosso,

Acreditamos num lugar melhor

Mas não podemos esperar por eles!

Vamos lutar como o nosso suor!

 

Pelo menino

Que deseja ser feliz

Tem a alma repleta de inocência,

Da maldade do mundo

É um meio aprendiz

 

Agora, “meu companheiro”

Olhe nos olhos deste cidadão:

Até quando vai enchê-los de lágrimas,

Devastando o nosso querido chão?

 

Sua família tem fome,

Seu filho quer educação,

Para daqui a alguns anos

Tentar salvar a nossa terra

Destruída pela corrupção.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2º lugar – Kamila Santana – 9º ano D

 

Pés na Terra

Bandeira verde e amarela

Não deixemos nossa liberdade

Trancada numa cela

A nação viu-se enganada

Por quem confiou

Entoaram a “Pátria amada”,

O gigante acordou!

 

Entre panelaços agudos

E o hino nas multidões,

Os cavalheiros do futuro

Vingando gerações

 

Me chamam de cidadão

Me chamam de “futuro da Nação”

Eu tenho meus direitos

E reconheço minha obrigação.

 

Cuidarei do que é seu

Porque é nosso

Para que a cidadania

Não se reduza a destroço.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3º lugar – Maria Eduarda S. Paula – 8º ano C

 

HIPOCRISIA

 

Eles reclamam da corrupção,

Também da poluição

Mas ninguém quer pagar imposto

E nem recolher lixo do chão

 

O que adianta reclamar,

Se não faz nada?

Levanta desse sofá

E um emprego vai arranjar

 

Muitos querem direitos

Poucos lutam por eles

Poucos fazem a diferença

 

Escolas fechando,

Crime crescendo,

Prisões aumentando

Famílias se arrependendo

 

 

 

Categoria Ensino Médio

 

 

1º lugar – Joyce Bisoffi – 3º ano C

 

LEVANTA E LUTA, BRASIL!

O cidadão é um guerreiro

Que levanta da cama cedo

E sai de casa sem medo

De mais um dia de luta

 

Exercer a cidadania

Vai além de comparecer um dia

Para eleger alguém:

É lutar por melhoria

É não se conformar com a hipocrisia

Que diz que perante a lei

Qualquer cidadão é igual

 

Como dizem que somos iguais?

Quando aqueles que mais necessitam

Não são lembrados jamais!?

Quando vemos em todos os jornais

O povo passando fome

Enquanto o que pagamos de impostos

É o governo quem consome

 

O Brasil é nosso

E pode ser melhorado

Se não formos alienados,

Abrir os olhos e levantar preparados

Pra dias e dias de luta

Contra bandidos engravatados

que querem que fiquemos calados.

Mas, nós iremos gritar!

Não vamos deixar de lutar!

 

 

2º lugar – Ueliton Guimarães – 2º ano A

 

BRASILEIRO?

 

Eu sou o que sobrou.

Serei o que for-me ensinado

Exercendo a cidadania estou,

Para que o ideal seja compartilhado.

 

Sou mais um com direitos e deveres

Trabalhando para engrandecer os valores

De uma sociedade de decisão

Desejo de compreensão, para ser ouvido como cidadão

 

A força de lutar reanima

O respeito da defesa ativa

O direito adquirido encorajou

Do dever a ser cumprido, resultou

 

Entre coronéis, sou ninguém

O que é influenciado, imposto

Mandato que atinge alguém

Não supre, causa desgosto.

 

Correndo da atitude injusta

Em busca de uma vida melhor

Mas sociedade não compõe um “corpo” só

Cidadania é ética, moral e valor

 

Precisamos ter ciência

De que temos direitos de regência

Para não ser só aparência

E o fim da expressão seja conseqüência

 

Estamos em uma democracia

Que exige participação social

Para que não haja burocracia

Nem a volta de um governo ditatorial.

 

 

 

3º lugar – Felipe Alves Manoel – 1º ano A

 

BIFURCAÇÃO

 

Quatro de maio

O dia do meu nascimento

Reflito perante o tempo

Que gera meu firmamento aqui dentro

Não consigo parar de pensar

Como que estão meus amigos?

Como que está tudo lá?

Ruas sangrentas e sombrias…

Não é bem assim

Eu não posso me esquecer

Porque isso fez parte de mim

Lá o padre pedia dinheiro e falava: é para Jesus

Playboisada, alienada, chorava no pé da cruz

Doces de alcaçuz no mais bonito frasco

No crime podia entrar, mas o destino rasgou o contrato

Eu admirava os ladrões mais velhos, eu confesso

Enquanto for olho por olho,

O mundo vai acabar cego

Eu tinha três amigos e contra isso eu vou lutar

Um foi pras drogas, outro quase morreu e o último não sei onde está

E se eu continuasse lá? Será que essa poesia conseguiria recitar?

Sei lá se conseguiria andar nos mesmos passos

Criaram os loucos para confundir os sábios

Pois tudo na vida é forma de pensar

Até chegar ao ponto onde só é possível levantar.

Meu tio ainda tá lá

E pra conquistar tudo que tem hoje, ele não precisou roubar.

Parei, pensei e refleti: se ele conseguiu, por que eu não vou conseguir

Vou pensar e agir com muita sagacidade

Pois quem planta vento colhe tempestade

Um futuro sem crime é isso que eu quero

E, se hoje meu caminho tá difícil,

É por que estou no caminho certo.

poesia público