Em convenção, DEM cogita fusão com PSDB e lança Dória à Presidência

Durante convenção estadual neste domingo, em São Paulo, o partido Democratas (DEM) contou com o ex-deputado Jorge Tadeu Mudalen como mestre de cerimônia. Ele saudou o governador João Dória (PSDB) como “futuro presidente do Brasil” e antecipou o apoio do DEM à reeleição do prefeito Bruno Covas (PSDB), em 2020.

Tadeu também prevê que o vice-governador Rodrigo Garcia (DEM) assuma o Palácio dos Bandeirantes, quando provavelmente Dória renuncie para concorrer ao Planalto. Nesse caso, Garcia deve ser o candidato do grupo para governador.

A fusão entre os dois partidos foi tratada abertamente durante o encontro. Pelas novas regras eleitorais, os partidos precisam fortalecer-se. Como os interesses de DEM e PSDB assemelham-se, é natural que cogitem fundir-se.

Quanto à reeleição de Bruno Covas para a Prefeitura, ele foi cauteloso, afirmando que é cedo para tratar disso. Ao anunciar previamente o apoio a Covas, Jorge Tadeu contraria iniciativa de Doria, que, embora esteja no ninho tucano, lançou o nome da deputada federal Joice Hasselmann (PSL) para disputar a prefeitura paulistana em 2020.

Rodrigo Garcia foi escolhido para presidente estadual do DEM. O vereador Milton Leite, presidente do Diretório do DEM na Capital, foi eleito secretário-geral do partido no Estado. Ele disse que o assunto da fusão ainda está embrionário, mas também declarou apoio à reeleição de Bruno Covas na Prefeitura.

O presidente da Assembleia Legislativa, Cauê Macris (PSDB) e o senador José Serra (PSDB) também participaram da Convenção.