Emenda de feriado, fiscais de folga, rua D.Pedro vira paraíso dos camelôs

Feriado na terça-feira, 9 de Julho. Segunda-feira deveria ser dia útil, mas o prefeito Guti decretou ponto facultativo. Assim, os fiscais não estão trabalhando hoje.

As fotos enviadas pela internauta Wan Gomes mostram como estava a rua D.Pedro II nesta tarde de 8 de julho. Sem os fiscais, os camelôs tomaram conta da via pública.
E os consumidores, pelo jeito, gostaram das mercadorias por eles ofertadas e dos preços, pois tinha muita gente comprando.

O comércio estabelecido sofre com essa situação, pois tem custos que os camelôs não têm. A cidade também perde arrecadação. Mas, uma emenda de feriado como essa, em pleno dia de pagamento de salário, permitiu que muitos desempregados conseguissem obter algum ganho, já que as taxas de desemprego continuam muito elevadas.

Em defesa do comércio irregular, alguém pode dizer: “Podiam estar roubando, podiam estar matando, mas estão aí trabalhando”.

A rigor, tem tanta coisa irregular funcionando diante dos olhos da fiscalização, que reprimir esse tipo de comércio soa até cruel aos olhos de boa parte da população. A distribuição de panfletos continua correndo solta, por exemplo. O jogo do bicho funciona livremente em lojinhas por toda a cidade, em todos os governos. Quanto aos camelôs, seria importante apurar, entretanto, se por detrás da aparente necessidade de sobrevivência desses vendedores ocasionais não há espertalhões sonegando impostos.

Quanto ao ponto facultativo, presenciei várias pessoas surpresas com o não funcionamento das unidades do Fácil, pois afirmaram ter pesquisado no Google antes de ir até o Bom Clima. Pesquisei e vi que realmente consta que estaria aberto.

Localizado em: Prefeitura Municipal de Guarulhos
Endereço: Av. Bom Clima, 49 – Jardim Bom Clima, Guarulhos – SP, 07196-220 HorárioAberto ⋅ Fecha às 19:00 Telefone(11) 2475-8600

Não sei se haveria condições de fazer constar que estaria fechado. As unidades do Poupatempo, estaduais, funcionaram normalmente, no sábado e hoje. Até que ponto a população aprova a decisão do governo municipal de decretar ponto facultativo, como aconteceu na sexta, 21/6, e agora, poucos dias depois?

Valdir Carleto