Por Cris Marques
Fotos: Banco de imagens
e arquivo pessoal

Com a tecnologia cada vez mais em alta, aumentou também o número de postos de trabalho que exigem das pessoas passar o dia todo na frente de um computador, em diversas frentes, como agências de publicidade, empresas de tecnologia, redações jornalísticas, bancos, serviços de atendimento ao consumidor e até freelancers em seus home offices. Mais do que oferecer comodidade, esses ambientes devem ser pensados para o bem-estar, saúde e produtividade do funcionário. De acordo com Eduardo Hammerl, diretor comercial da Eroflex – empresa guarulhense que atua no mercado de mobiliário corporativo como fabricante de cadeiras para escritório desde 1995 –, é exatamente isso que defende a ergonomia, ciência que estuda a interação do trabalho e seus equipamentos com o trabalhador, a fim de criar soluções para prevenir acidentes, melhorar o rendimento e proporcionar maior satisfação para o trabalhador.

“De origem grega, ergon significa trabalho e nomos regra, a palavra congrega as leis da ciência, arte, técnica para obter o melhor desempenho e funcionamento fisiológico, antropométrico, biomecânico e psicológico do ser humano, por meio de equipamentos e maquinário”, diz. Ele explica que a saúde no ambiente de trabalho é uma preocupação antiga e que ganha ainda mais força com a criação de novas leis e normas regulamentadoras relativas à segurança e medicina do trabalho. Mas, é claro que ainda existem empresas que não prestam atenção nestes detalhes. “Algumas categorias, como os callcenters, têm regras específicas, a NR17, anexo II, por exemplo. Não seguir isso, além de trazer complicações jurídicas, pode resultar em problemas de saúde, entre eles LER [Lesões por Esforços Repetitivos] e Dort [Distúrbio Osteomuscular]. Além disso, desconforto pode ser um dos principais responsáveis pelo baixo rendimento, uma iluminação inadequada pode causar danos à visão e ruídos e mudanças de temperatura podem influenciar até na concentração”, acrescenta ele.

O local de trabalho ideal

Eduardo Hammerl garante que um ambiente de trabalho adequado é aquele que foi analisado de acordo com sua finalidade. “Não é possível fazer ligações ativas para um cliente se a pessoa está trabalhando no meio de um restaurante, por exemplo. Assim como não dá para cozinhar dentro do escritório. Cada setor de uma empresa tem sua particularidade e regras a serem seguidas. Como o foco aqui é escritório, temos que pensar em iluminação, climatização e mobiliário, que deve ser olhado separadamente, pois existem normas e especificações do Inmetro para garantia do produto, como espessura da madeira utilizada, ferragens especificas, medidas mínimas e sua performance nos testes de resistência”.

A cadeira perfeita

Para o profissional, existem muitas opções no mercado com design e estética que encantam, além daquelas peças com preços chamativos, mas como é a saúde que está em jogo, o essencial é ser mais crítico e menos deslumbrado. “Se, por um lado, a ergonomia tem um valor mais alto, por outro ela resulta em economia a longo prazo, pela melhoria na saúde de seu usuário. Mobiliário correto não deve ser visto como gasto ou custo e sim como investimento. […] Uma cadeira inadequada pode causar dores nas costas, ombros e pernas e vai exigir do trabalhador que ele mude de postura a todo momento em busca de um mínimo de conforto e é óbvio que isso vai diminuir sua produtividade. Um item de má qualidade cobra seu preço a cada dia de trabalho”.

Para acertar na escolha da cadeira do escritório:

• A cadeira deve seguir as normas de ergonomia;
• Escolha uma peça ajustável, com regulagem de assento, encosto e braços;
•Evite as de madeira ou com ângulo reto entre coxas e tronco;
• Cadeiras com braço devem ter mecanismo de regulagem, pois se eles ficarem muito altos podem impedir o acesso confortável ao posto de trabalho;
• O apoio lombar deve proporcionar uma boa sustentação, sem forçar qualquer ponto da coluna;
• Aprenda a fazer a regulagem: a altura certa da cadeira é aquela que permite que seus cotovelos fiquem na mesma altura do tampo da mesa;
• Quando estiver digitando, usando o mouse ou lendo, ajuste a peça de tal forma que seu tronco e suas coxas formem um ângulo entre 100 e 110 graus;
• Quando estiver escrevendo, sente-se mais para trás, apoiando, de forma confortável, a coluna no encosto;
• Caso seus pés fiquem suspensos, coloque um apoio.

Além disso, Eduardo pontua que não basta ter a cadeira perfeita se o posto de trabalho não for muito bem planejado e não levar em consideração outros itens, como suporte para os pés, que ajudam a conseguir uma posição adequada, mouse pad com apoio de pulso, suporte para o monitor, que garante que a peça fique na altura dos olhos, suporte de papel e headset – conjunto de fone de ouvido com microfone acoplado, ideal para profissionais de telemarketing.

Eroflex
Rua Cavadas, 43, vila Endres
Tel.: 4964-1115 / 4964-1116
www.eroflex.com.br

Quer ler outras matérias da edição 322 da Revista Weekend? Acesse!