Espalha Fatos – 28/09

Fedor

Há pouco mais de três meses para o fim do segundo mandato do prefeito petista Sebastião Almeida, o Executivo municipal corre para renovar na surdina contratos milionários da atual administração com grandes empresas. Alguém poderia explicar qual o motivo de tanta pressa já que estamos no apagar das luzes deste governo? Toda esta movimentação está deixando um cheiro bastante ruim no ar. Já vimos esse filme antes sempre nas viradas de mandatos.

Embaraço

Nas últimas campanhas políticas o que mais se viu nos cruzamentos das vias movimentadas da cidade foram comissionados da Prefeitura tremulando a bandeira do PT e de seu candidato a prefeito. Curiosamente nestas eleições apareceram servidores públicos também apadrinhados bandeirando para outro partido e prefeiturável após o expediente. Tudo junto e misturado. Não dá para entender mais nada! Ou dá?

Trava língua

Com a intenção de esclarecer a confusão que está na cabeça dos eleitores, o líder do governo, vereador Samuel Vasconcelos (PT), teve de explicar ontem durante a sessão na Câmara, que o candidato do atual governo Almeida é o petista Elói Pietá. Muita gente está achando que o candidato oficial da máquina “é o outro”, segundo suas palavras. Num ato falho, Vasconcelos quase falou que seu candidato a prefeito era Eli e não Elói. Na hora de citar o nome, a língua enroscou e a gozação foi geral já que a sonoridade é similar.

Tudo combinado?

Cresce nas redes sociais as publicações de conversas onde candidatos a vereador de vários partidos reclamam do não cumprimento dos compromissos assumidos por alguns prefeituráveis que prometeram de tudo antes da confirmação das alianças. Pelos nomes envolvidos, imagina-se que a ação de calote tenha sido supostamente premeditada com o intuito de ajudar a colocar no segundo turno determinado candidato de um grupo que não quer largar o osso de jeito nenhum. Pelo jeito os credores caíram no conto do vigário e o sonho de virar parlamentar será adiado por mais quatro anos.

Questionamento

Analisando o quadro de candidatos a vereador em Guarulhos, perguntamos por que alguns conhecidos petistas de carteirinha trocaram de partido no limite do prazo legal para disputar uma cadeira na Câmara Municipal por outra legenda teoricamente de oposição agora em 2016? Todos sabiam que teriam de levar o nome de outros prefeituráveis e não o de Elói. A verdade é que a mudança, longe de ser ideológica, faz parte de um jogo que o mundo político faz questão de não mostrar as regras. As nuvens estão se dissipando e as coisas estão começando a ficar claras.