Especialista em direito eleitoral acha difícil denúncia de caixa 2 atingir Guti

Tendo em vista que a vereadora e presidente do PT guarulhense, Genilda Bernardes, deu entrada em representação criminal e pedido de investigação do Ministério Público Eleitoral a respeito de denúncia de uso de caixa 2 na campanha eleitoral do então candidato Guti, em 2016, o Click Guarulhos procurou ouvir o advogado Alexandre Gonçalves Ramos, autor do Manual das Eleições 2018 e especializado em Direito Eleitoral.

O empresário Décio Pompêo Jr. admitiu ao blog de Fausto Macedo, do site do Estadão, que teria havido verbas não declaradas na campanha de Guti à Prefeitura. Uma empresa de São Bernardo do Campo efetuou depósitos na conta da então proprietária do portal Guarulhosweb, supostamente para pagar uma pesquisa eleitoral e a impressão de um jornal com 100 mil exemplares para divulgar o resultado, buscando influenciar a vontade dos eleitores.

O especialista entende que será difícil estabelecer a participação pessoal do então candidato Guti no eventual ilícito eleitoral, bem como até que ponto a realização da pesquisa e sua publicação em jornal, ainda que com 100 mil exemplares, possa ter tido influência substancial no resultado da eleição. Segundo ele, depende de interpretação da Lei se essas atividades enquadram-se ou não como campanha eleitoral, para que se possa atribuir ter havido doação e despesa não declaradas.