Falta do Marco Zero deixa impressão de abandono; Prefeitura promete restauro

Pessoas que pretendiam fazer uma foto diante do Marco Zero ficaram surpresas com a falta - Foto: Alexandre de Paulo
Desde dezembro de 2018 leitores do Click Guarulhos têm se queixado do aspecto de abandono do Centro de Guarulhos, em especial a ausência do Marco Zero, em frente à Matriz, na Praça Tereza Cristina, e o calçadão da rua Dom Pedro II.
Acúmulo de lixo, má iluminação, falta do Marco Zero e depredação dos bancos que cercavam o local causam tristeza e indignação.
“Ver isso é muito triste, tudo abandonado, até o Marco Zero arrancaram daqui”, disse o historiador Elton Soares, durante o início de uma caminhada pela Rota Bandeirante, no dia 8 de Dezembro, aniversário da cidade.
Rua Dom Pedro II, com lixo acumulado e aparência de abandono, num sábado pela manhã – Foto: Alexandre de Paulo
Questionada, a Secretaria de Obras informou “que a peça de metal que representa o Marco Zero da cidade foi retirada como medida preventiva e será reinstalada após intervenção na rede subterrânea de energia elétrica. Já os bancos foram retirados devido à depredação e serão substituídos”.
Quanto à iluminação, ainda segundo a Prefeitura, “a equipe do Depto. de Iluminação Pública esteve recentemente no local e está providenciando a melhoria da luminosidade do local.”

Com relação à limpeza no calçadão da rua Dom Pedro II, a Proguaru “informa que realiza varrição e remoção do lixo do local todos os dias, a partir das 6h.”

Marco Zero de SP, na Sé, fica danificado após evento

O Marco Zero da cidade de São Paulo, na Praça da Sé, amanheceu danificado e fora do lugar no domingo, 20. O monumento foi derrubado por um caminhão que trabalhava na desmontagem do Festival Dia do Reggae, feito em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura no Sábado (19).

O incidente ocorreu há menos de uma semana do aniversário de 465 anos da cidade, que será comemorado nesta sexta-feira, 25. De mármore, o Marco Zero ficava sobre um pedestal de mesmo material sobre uma rosa dos ventos desenhada no chão, em frente à Catedral da Sé. Ele tem seis lados, que trazem o nome e uma figura referente a Estados vizinhos e à cidade de Santos.

Na tarde de domingo, quando a reportagem foi ao local, restava só o pedestal vazio, sobre o qual descansavam moradores de rua. A alguns metros dali, junto a um antigo poste, o Marco estava no chão, de cabeça para baixo. Não havia isolamento da área, mas uma viatura da Guarda Civil Metropolitana estava no local. O item é patrimônio tombado.

“Não entendemos o que era”, disse a turista catarinense Jaqueline Anderson, de 28 anos, em visita com o marido. “Viemos para conhecer a Catedral (da Sé) e o Pátio do Colégio.”

O incidente ganhou repercussão nas redes sociais após publicação da Giro in Sampa, que realiza tours pelo centro histórico. A publicação foi feita pela historiadora e dona da empresa, Shirley Damy fazia visita guiada no local no domingo pela manhã. “Fiquei chocada”, disse.

Em nota, a Subprefeitura da Sé lamentou o incidente. “Foi lavrado BO (Boletim de Ocorrência) e os responsáveis serão identificados e penalizados.” O Marco vai passar por avaliação do restaurador nesta segunda, 21, e, depois disso, será informada a data em que retornará a seu local original.

*Com informações do Estadão Conteúdo