Essa história de Pokémon está dando o que falar. E pelo jeito, não vai parar tão cedo. No ano em que a franquia completa 20 anos desde o seu surgimento, Pokémon Go é lançado para mostrar que os monstrinhos não foram esquecidos.

Lançado no dia 3 de agosto no Brasil, o jogo atingiu marca dos milhões de usuários em menos de 24h. As empresas não perderam tempo e incluíram os pokémons em suas propagandas. Até a reprodução da trilha sonora do desenho, como a “Temos que pegar”, teve um boom em canais do Youtube e Spotify.

025Pikachu_OS_anime_7No mundo, o aplicativo tornou-se mais usado que o Twitter e Tinder e isso porque nem chegou ainda em todos os países – a empresa acredita que o jogo deve chegar a mais 200 mercados no total. O sucesso disso se deve, em sua grande maioria, pela marca atrelada ao fato do jogo estar em um dispositivo que todos têm: o smartphone.

Game-Boy-FLA lenda dos anos 90

Antes de entender o jogo, precisamos conhecer a sua origem: A franquia Pokémon começou com jogos lançados para o primeiro Game Boy, em 1995. Depois, passou a ser desenvolvida em mangá e anime. A febre na época foi tanta, que cartas e mais jogos foram produzidos, tornando a franquia a segunda mais bem-sucedida da história dos games – atrás somente de Mário.

Entendendo o jogo

O jogo acontece por meio da realidade aumentada. E nisso, a Nintendo, dona da marca, acertou em cheio ao apostar em uma técnica que ainda não havia sido tão explorada no mundo dos games, para trazer de volta o seu nome num mundo em que só se fala de Sony e Microsoft – Xbox e Playstation, respectivamente.

O jogo une elementos ficcionais com o ambiente físico, deixando as criaturinhas quase palpáveis para os jogadores. Por meio do Google Maps, os monstrinhos, pokéstops e ginásios são espalhados pelas ruas das cidades, praças, estabelecimentos, casas e prédios, fazendo com que os jogadores saiam de suas casas em busca dos pokémons.

Estabelecimentos comerciais e outros pontos transformam-se em PokéStops – locais fixos onde os treinadores podem coletar mais itens (como pokebolas e incenso, que atrairia mais dessas criaturas para perto do jogador) gratuitamente.

O sistema de captura é fácil: você será avisado quando um monstrinho aparecer no mapa, e então é só tocar em cima e arrastar a pokebola para capturá-lo. Simples, não?

pokemon-png-28Assim como nos jogos convencionais e no anime, Pokémon Go também tem ginásios, que nesse jogo podem ser dominados e defendidos por equipes que você escolhe a partir do nível 5. As batalhas entre as criaturas rolam conforme os toques na tela. Infelizmente, ainda não dá para enfrentar outros jogadores, mas a Niantic, desenvolvedora de Pokémon Go, disse que não vai demorar para esse recurso ser colocado no jogo.
O aplicativo pode ser baixado nas lojas Apple Store e GooglePlay. Donos de Windows Phone e Blackberry precisarão aguardar mais um pouquinho.

Fique ligado

Para achar determinados tipos de pokémons, você precisa estar no terreno deles. Por exemplo: um tipo aquático só poderá ser encontrado próximo a água. Criaturas fantasmas tendem a surgir na cidade à noite.

pokemon-go-logoPor que tanto sucesso?

Num bate-papo com o jornalista especialista em games Gabriel Roldan, ele explicou que um dos fatores que contribuem para a popularidade do game são as histórias únicas. “Como a do adolescente que sofria crises de ansiedade ao sair de casa, impedindo-o até mesmo de ir à escola. Agora, graças ao aplicativo, ele está sempre saindo de casa para caçar pokémons e se divertir”, afinal, a tecnologia usada pela desenvolvedora não tem nada de novo. Para Roldan, o grande truque de mestre está na marca Pokémon. “A Niantic, empresa que desenvolveu Pokémon Go, já produziu um game chamado Ingress, que tem um objetivo muito parecido. Porém, ele não teve o mesmo sucesso”.

Roldan acredita que mesmo que surjam outros jogos semelhantes, não vão conseguir surfar na mesma onda. “Não duvido que já existam outros jogos tentando embarcar no sucesso de Pokémon Go, mas acho difícil ‘vingarem’. Metade da diversão do jogo vem do aspecto ‘social’ da experiência – comentar com um amigo que também joga onde encontrou determinado Pokémon, comparar suas coleções e compartilhar experiências – e acho difícil outro app ter tamanha aquisição de jogadores tão cedo, principalmente tentando concorrer com Pokémon, um nome que se vende apenas pela nostalgia”, conclui.

pokemon-propagandaOlho empreendedor

As empresas podem aproveitar o lucro que o jogo pode dar. Além de usar os monstrinhos nas campanhas, se há um pokéstop por perto, faça propaganda em cima, ou senão, porque não oferecer carregadores de celulares? Pode ser útil para um mestre Pokémon sem bateria. Mercados como o de carregadores portáteis para celulares alavancou desde que o jogo foi lançado.

Outra coisa boa é que o aplicativo permite investir dinheiro para atrair mais pokémons para determinados lugares. Fica a dica.

Todo cuidado é pouco

Se por um lado o jogo tem sido uma benfeitoria para a atividade física, interação social e diversão, por outro ele tem provocado roubos e acidentes. No dia do lançamento no Brasil, um adolescente de 14 anos teve o celular roubado enquanto tentava capturar um Pokémon no Centro de Vila Velha, Espírito Santo. Na avenida Paulista, o publicitário José Hilário Junior, 32, postou em sua página do Facebook que um ladrão o abordou de bicicleta. Em Divinópolis, Minas Gerais, seis adolescentes ficaram presos em um cemitério. Casos mais graves aconteceram: uma criança de 9 anos morreu afogada ao tentar capturar pokémons no litoral do Rio Grande do Sul.

Mesmo na fissura pelo game, é bom ter cuidado: a Polícia da Bahia emitiu um alerta para os jogadores evitarem locais sem iluminação ou muito afastados; vale para todos os Estados, pois não falta quem queira se aproveitar dos distraídos. É bom também evitar propriedades privadas e mesmo públicas nas quais o acesso seja proibido. Dirigir mexendo no celular, nem pensar.

Mapa

Treinadores de Guarulhos podem acessar o site Mapa Pokemon Go e conferir onde estão os pokéstops e ginásios espalhados pela cidade.

Casos de ajuda

O jogo está influenciando pacientes autistas. No Reino Unido, Adam, de 17 anos, que passou os últimos cinco anos em casa, em um outro jogo, tem saído com frequência para capturar as criaturinhas. A mãe do garoto disse que antes o filho nã007Squirtle_Pokemon_Mystery_Dungeon_Explorers_of_Skyo aguentava ficar na rua: começava a tremer e sentir-se mal, só por estar ao lado de pessoas, com barulho e falando alto. Segundo a ela, o jogo tem estimulado Adam à interação social, com amigos e também familiares.

É bom ir se acostumando, pois Pokémon será tendência nos próximos meses. Até na Redação da Weekend foram capturados alguns pokémons.