Funcionários dos Correios entram em greve por tempo indeterminado

Categoria busca impedir redução de salários, benefícios e é contra a privatização da estatal - Marcelo Camargo/ABr

Funcionários dos Correios entraram em greve geral por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira, 11. A paralisação foi decretada na noite de terça-feira (10) em assembleias realizadas em diferentes estados do país. A categoria pretende impedir a redução de salários e benefícios, e é contra a privatização da estatal, que foi incluída no mês passado no programa de privatizações do governo Bolsonaro.

O reajuste salarial de apenas 0,8% é um dos principais pontos reclamados pela categoria. Os trabalhadores querem o reajuste salarial pela inflação, de 3,43%, e a manutenção de benefícios, como manter os pais como dependentes no plano de saúde e coparticipação de 30%; continuidade de percentual de férias em 70% e vales alimentação e refeição.

“A decisão foi uma exigência para defender os direitos conquistados em anos de lutas: salários, empregos, estatal pública e sustento da família”, informou em nota a Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect).

Em sua página na internet a federação informou que a greve foi decretada em São Paulo, Rio de Janeiro, Tocantins, Maranhão e na maioria dos estados do país.

Já a direção dos Correios, também em nota, informou ter participado de 10 encontros com os representantes dos trabalhadores para apresentar propostas dentro das condições possíveis, “considerando o prejuízo acumulado na ordem de R$ 3 bilhões”.

“O principal compromisso da direção dos Correios é conferir à sociedade uma empresa sustentável. Por isso, a estatal conta com os empregados no trabalho de recuperação financeira da empresa e no atendimento à população”, informou a estatal.

*Com informações do G1 e do Agora SP