Geração de empregos: melhor abril em 5 anos; SP lidera

Estado registrou abertura de mais 50 mil novas vagas no mês. Serviços e Indústria da Transformação impulsionaram o resultado, que foi positivo em todos os setores

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta sexta-feira (24) pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, mostram que o estado de São Paulo liderou a geração de empregos no Brasil em abril. No período, houve abertura de 50.168 novos postos de trabalho, uma variação de 0,42% em relação ao estoque do mês anterior.

Em abril, todos os setores da economia paulista tiveram saldo positivo. Os destaques foram Serviços, com a geração de 21,8 mil novos postos, e Indústria da Transformação (12,8 mil). A Agropecuária (6,5 mil) e o Comércio (4,3 mil) também apresentaram resultado expressivo no mês.

Desempenho Nacional – O Brasil registrou a abertura de 129.601 novas vagas de emprego com carteira assinada em abril, resultado de 1.374.628 admissões e 1.245.027 desligamentos. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta sexta-feira (24) pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.

Este foi o melhor resultado para abril desde 2013. Na época, o Caged registrou a criação de 196.913 vagas. Terceiro ano consecutivo de saldos positivos e crescentes no mês, o número reflete a recuperação do contingente de empregos formais em abril desde 2017.  No acumulado do ano, de janeiro a abril, foram gerados 313.835 postos de trabalho e o estoque de empregos chegou a 38,7 milhões.

O resultado de abril de 2019, segundo o Ministério da Economia, está diretamente relacionado aos setores de Serviços, Indústria de Transformação e Construção Civil, responsáveis pela maior parte da geração de empregos no mês. Destaca-se ainda que o saldo de emprego foi positivo nos oito setores econômicos.

Evidentemente, o índice de desemprego ainda é alarmante e só não é pior porque muitos desistiram de procurar uma nova vaga e passaram a empreender ou viver de bicos. Porém, o fato de ter havido criação significativa de empregos formais em abril é um alento, em um quadro tão preocupante.