Popularidade baixa e opinião do vice teriam influenciado recuo de Alckmin

Foto: EDSON LOPES JR/NEWS FREE/AE

A decisão do governador Geraldo Alckmin de suspender a reorganização que pretendia implantar nas escolas pode ter sido resultado dos péssimos índices de popularidade apurados pela pesquisa divulgada hoje e, também, pela opinião do vice-governador Márcio França (PSB), favorável ao recuo da administração estadual.

As sucessivas ocupações de escolas já haviam deixado Alckmin fragilizado no embate com setores da opinião pública. Esse fator foi agravado com as recentes paralisações de importantes vias da capital paulista por estudantes contrários à reorganização.

Certamente, pesaram também na decisão do governador as decisões do Tribunal de Justiça e também de juízes de primeira instância, negando a reintegração de posse de escolas ocupadas.
Às 13h, Alckmin dará entrevista coletiva à Imprensa.

Valdir Carleto

Mãe de aluno opina

Li hoje a matéria do Sr. Valdir Carleto. Ele deu a opinião dele, respeito, mas quero dar a minha.

A questão não é mudar para três quarteirões de distância. A reorganização envolve a falta de:

  • diálogo
  • decoro
  • transparência
  • ética profissional

O problema foi a forma apresentada, pois o prazo apresentado foi impossível.

O problema é o horário dado para os adolescentes nas outras escolas impostas.

Adolescentes que estudam de manhã e trabalham das 14:00 às 21:00, conheço ao menos dois no Conselheiro, que terão que estudar no Brotero no período noturno, o que fazer?

Também na minha adolescência trabalhei de dia e estudei à noite, todos podem fazer o mesmo.

E esses adolescentes estão ocupando a escola por isso, por Direito, à educação e à livre expressão.

Nós não temos o direito de opinar quais os impostos que queremos pagar.

Agora não teremos direito de opinar onde queremos estudar e em qual horário?

O Brasil é um país democrata……

Está difícil de acreditar nisso.

Att.

Patricia Martins Anacleto Silva.

Mãe de adolescente em ocupação, Pagadora de Impostos, Cidadã Brasileira.