Governo tucano admite suspender reorganização das escolas

O governo estadual propôs nesta quinta-feira (19) a suspensão temporária da reorganização das escolas estaduais a partir de 2016, se os alunos deixarem as unidades invadidas.

O anúncio foi feito em audiência de conciliação entre governo, professores e estudantes, pelo secretário Herman Voorwald. Segundo ele, a suspensão pode ocorrer apenas 48 horas após a saída dos estudantes.
Caso haja acordo, a reorganização seria suspensa até que escolas a discutam internamente e, depois, apresentem uma nova proposta ao governo, o que teria de ser feito ainda este ano.

Segue a íntegra de comunicado divulgado pela Secretaria de Educação

COMUNICADO

A Secretaria da Educação do Estado reafirma o compromisso com a reorganização da rede de ensino. Mais uma vez o diálogo deve prevalecer entre alunos e dirigentes para conseguir, de maneira pacífica, chegar a um consenso.

As diretorias regionais de ensino continuarão à disposição para dialogar e trabalhar em equipe para garantir que os 200 dias letivos sejam cumpridos.

Um documento apresentado ao Ministério Público mostra os 5 principais pontos mencionados na tarde de hoje (19) pelo secretário Herman Voorwald, acompanhe abaixo:

  1. Envio do material da reorganização específico de cada unidade escolar. Prazo: em 48 (quarenta e oito) horas após a desocupação.
  2. Redistribuição do material da reorganização a todas as unidades da rede estadual de educação. Prazo: em 48 (quarenta e oito) horas após a desocupação.
  3. Realização de debates com a comunidade escolar, a serem organizados nas dependências das unidades escolares. Prazo: em até 5 (cinco) dias, após o recebimento do material referente ao item 1.
  4. Indicação de representantes da comunidade escolar – Grêmios, Associações de Pais e Mestres, Conselhos de Escola ou representantes desses segmentos – para consolidar propostas a serem encaminhadas às Diretorias de Ensino.
  5. Reuniões das equipes das Diretorias de Ensino com representantes indicados pela comunidade escolar para tratar as propostas. Prazo: até 10 (dez) dias após a realização dos debates indicados no item 3.