Ibope: Bolsonaro lidera folgado, mas é campeão de rejeição e perde no segundo turno

O Ibope divulgou nesta quarta-feira a primeira pesquisa nacional de intenções de voto para a Presidência da República, depois do início do horário eleitoral gratuito.

O instituto adiou a publicação diante do veto do TSE à candidatura Lula. Chegou a fazer uma consulta formal ao Tribunal, que argumentou ser vedado legalmente de responder. Diante das circunstâncias e considerando ter agido de acordo com a lei, o Ibope resolveu divulgar os números, tendo colocado o ex-prefeito Fernando Haddad como nome do PT, em lugar de Lula.

Como o internauta pode verificar, o deputado Jair Bolsonaro mantém liderança folgada no cenário sem Lula. Enquanto ele ostenta 22%, os que mais se aproximam dele, Marina e Ciro, chegam a apenas 12%.

Ele está, no entanto, muito distante de ganhar no primeiro turno como apregoou nestes dias. A soma dos outros candidatos ultrapassa em muito o índice obtido por Bolsonaro.

Há de se considerar, também, o alto índice de rejeição, 44%, muito superior a todos os demais.
Essa rejeição serve para explicar por que, nos eventuais cenários de segundo turno, ele perderia para praticamente todos os oponentes; apenas Marina aparece praticamente empatada com Bolsonaro.

A julgar pelos números dessa pesquisa Ibope, embora falte um mês para a eleição, será difícil que o deputado fluminense esteja fora do segundo turno. O grande embate que se travará no primeiro turno deve ser entre quem estará em condições de disputar com ele depois.

Arrisco dizer que praticamente todos os demais candidatos irão crescer, conquistando votos dos indecisos e dos que cogitam agora anular ou deixar em branco, à medida em que puderem expor suas ideias e propostas no horário eleitoral, em debates e entrevistas, bem como no contato direto com o eleitorado. Já Bolsonaro tende a estacionar ou a crescer pouco, pois é sobejamente conhecido, tem tido grande exposição na mídia e o público que aprova as ideias que defende já cristalizou a preferência por ele.

Um fator que pode pesar na mudança desses números é a situação dos parceiros de cada candidato nos estados. Outro é a capacidade de utilizar as redes sociais para contrapor ao maior tempo de TV e rádio no horário eleitoral.

Valdir Carleto

RESULTADOS DA PESQUISA IBOPE

Intenção de voto

Bolsonaro (PSL) tem 22%
Marina (Rede) e Ciro (PDT) 12%;
Alckmin (PSDB) 9%;
Haddad (PT) 6%
Alvaro Dias (Podemos): 3%
João Amoêdo (Novo): 3%
Henrique Meirelles (MDB): 2%
Guilherme Boulos (PSOL): 1%
Vera (PSTU): 1%
João Goulart Filho (PPL): 1%
Cabo Daciolo (Patriota): 0%
Eymael (DC): 0%
Branco/nulos: 21%
Não sabe/não respondeu: 7%

Simulações de 2º turno

Ciro 44% x 33% Bolsonaro (branco/nulo: 19%; não sabe/não respondeu: 4%)
Alckmin 41% x 32% Bolsonaro (branco/nulo: 23%; não sabe/não respondeu: 4%)
Bolsonaro 33% x 43% Marina (branco/nulo: 20%; não sabe/não respondeu: 3%)
Haddad 36% x 37% Bolsonaro (branco/nulo: 22%; não sabe/não respondeu: 5%)

Rejeição
O Ibope também mediu a taxa de rejeição (o eleitor deve dizer em qual dos candidatos não votaria de jeito nenhum).

Bolsonaro: 44%
Marina: 26%
Haddad: 23%
Alckmin: 22%
Ciro: 20%
Meirelles: 14%
Cabo Daciolo: 14%
Eymael: 14%
Alvaro Dias: 13%
Boulos: 13%
Vera: 13%
Amoêdo: 12%
João Goulart Filho: 11%
Poderia votar em todos: 1%
Não sabe/não respondeu: 10%
Observações: os entrevistados podem citar mais de um candidato, portanto os resultados somam mais de 100%; não é possível comparar os resultados desta pergunta com os da rodada anterior, já que Lula não constou como opção de resposta porque sua candidatura foi indeferida.


Questões legais

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal “O Estado de S.Paulo”.
Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos
Quem foi ouvido: 2.002 eleitores
Quando a pesquisa foi feita: 1 a 3 de setembro
Registro no TSE: BR‐05003/2018
O nível de confiança utilizado é de 95% (probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro).
0% significa que o candidato não atingiu 1%.