#instagrAMANDO

Por Cris Marques
Fotos e imagens Luh Testoni e Rafael Mantesso

Matéria Clube de assinaturas | Click GuarulhosSe você ainda não tem um perfil no Instagram, com certeza já ouviu falar desse aplicativo de imagens. Com mais de 300 milhões de usuários no mundo todo, contabilizados no final do ano passado, o IG (como é conhecido por seus usuários) já ultrapassou até mesmo a rede social de micro-blogging, Twitter, uma das mais famosas da internet. Seu imenso sucesso, por assim dizer, pode facilmente ser explicado pelo poder do imagético. O Brasil mesmo já é a segunda maior comunidade na rede, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. Com o mobile, é tudo rápido, os textos são curtos e as pessoas leem cada vez menos.

O publicitário Rafael Mantesso  conta que escolheu o IG porque é a rede social de imagens mais famosa do mundo. No aplicativo, ele mistura arte e fotos de objetos inusitados, comidas ou seu admirável bull terrier, Jimmy Choo, com muita criatividade. “Quando eu me divorciei, fiquei com o cão e um apartamento vazio. Decidi que não compraria móveis, mas voltaria a pintar e desenhar pra preencher a casa com vida novamente […] Enquanto estava ali pintando, desenhando, o Jimmy sempre estava do lado. Um dia, tinha comprado uma lixeira nova e decidi desenhar nela e colocar ele atrás. Achei incrível o resultado, postei, todo mundo gostou. Comecei ali”. Hoje, seu perfil já possui mais de 500 imagens e 230 mil seguidores e lhe rendeu um livro com 140 fotos inéditas do Jimmy, que será lançado em outubro pela Penguin, nos EUA e Canadá, e pela Intrínseca no Brasil, e uma parceria com a própria marca de luxo Jimmy Choo.

Por que instagrAMAR?

De acordo com o publicitário, o Instagram é muito acessível. “Ele te aproxima das pessoas. Você acorda, pega o seu celular e sabe o que seus ídolos e amigos estão fazendo naquela hora. […] Também acho muito fácil de usar. Minha mãe, que nunca teve rede social, usa o IG muito bem, meu pai também. O aplicativo é muito intuitivo e mexe com uma vaidade nossa. Essa coisa de querermos nos mostrar o tempo todo”. Já Luh Testoni (@luhtestoni, @30daysoftoys e @primeiraesquerda), fotógrafa e blogueira do primeiraesquerda.com, vai além. “Acho uma rede fantástica por dois motivos: simplicidade e engajamento. É uma ferramenta bastante simples. Se você não quiser, não precisa usar nada dela, como os filtros, só postar a foto e acabou. E ela te traz um engajamento enorme. Um amigo indica outro, que marca outro numa foto sua e, assim, muitas pessoas conhecem o que você faz/gosta e se identificam”.

Fãs + Ídolos = <3

Um dos grandes trunfos da rede social de imagens mais famosa do mundo é não separar perfil pessoal de marcas e famosos, como o Facebook faz com as suas fanpages. Isso equipara os @s e estreita relações. Sabrina Ricarte Boucault, estudante, criadora e administradora do perfil @GiseleBundchenFC, fã clube da Gisele Bündchen, que hoje já possui mais de 18 mil seguidores, acredita que o Instagram ajuda a diminuir a enorme distância que há entre o fã e seu ídolo. “Por mais que seja apenas outra rede social, para mim é a que mais oferece contato com o ídolo. O IG tem uma comunicação melhor do que as outras ferramentas. Ela [a própria top model] sempre curte quando é algo especial, não só no GBFC, mas também de outros fãs clubes. Ela sempre deseja feliz aniversário aos seguidores e alguns ela até conhece pelo nome”.

Matéria Clube de assinaturas | Click Guarulhos#Vemvocêtambém

Quer usar a rede, mas não sabe nem por onde começar? A gente te dá uma mãozinha: primeiro você precisa acessar o Instagram e instalar o aplicativo, que é gratuito, em seu aparelho mobile. Depois é só preencher o cadastro e criar o seu @. Prontinho, agora só falta postar! O próprio Instagram oferece a possibilidade de captura de imagem e edição com diversos filtros e outras opções. Além disso, também é possível editar a imagem em outras ferramentas e apenas postar no IG. “Existem apps, como o VSCO e o Afterlight que têm efeitos bons e que podem ajudar. Eu mesma os uso algumas vezes, quando fotografo diretamente com o celular”, ressalta a fotógrafa Luh Testoni.

Perfil certeiro

Assim como em outras redes, não existe uma formula mágica para o IG. Rafael Mantesso acredita que ter uma identidade própria faz a diferença. “Seja original e criativo, tenha bom humor e estipule uma frequência”. Luh acredita que criar uma comunidade é o que funciona. “Se for olhar, meu perfil pessoal tem 27 mil seguidores, o que nem é tanto assim, mas é uma turma muito leal. Até porque número, infelizmente, a gente sabe que dá pra comprar”. Nina Kobayashi, editora-chefe de conteúdo da agência de propaganda Pólvora! Comunicação, explica que ter bastante seguidores até pode ser um sinal de que está dando certo, mas tem que ser orgânico. “Recentemente, o Instagram fechou diversas contas fantasmas. Muita gente perdeu seguidores em massa. Pra mim, contam mesmo as interações. Acho que sem elas, um perfil não faz sucesso”.

A profissionalização da coisa

Assim como em outras redes, o Instagram também é uma ferramenta propícia para negócios e, até mesmo, para se tornar um instagramer profissional, ganhando pelas divulgações. De acordo com Lucas Pinheiro, diretor de marketing da Agência Cloud, na proporção em que o Instagram cresce, crescerão também as oportunidades de negócio que ele proporciona. “Formadores de opinião sempre ganharam dinheiro em troca dessa visibilidade que podem proporcionar, e no IG não é diferente”. Mas a blogueira e fotógrafa faz um alerta para quem pensa apenas em faturar. “Tenho um cuidado gigantesco de apenas fazer parte de ações ligadas a coisas que eu realmente acredito ou consumo. Não adianta ter ‘zilhões’ de seguidores e perder a credibilidade com eles”, ressalta Luh.

A presença das marcas

Além dos instagramers, outro fenômeno da rede é a presença das marcas que encontram na instantaneidade e na postagem de imagens um espaço propício para a divulgação de seus serviços e produtos. Nina explica que para uma marca se fazer presente na rede é preciso criar um elo de comunicação com o consumidor, aliado ao cuidado com as imagens divulgadas. “No exemplo da marca Command, a curadoria de boas fotos e dicas que realmente ajudam nossos seguidores são a chave do sucesso. Por lá, você não encontra nenhuma sugestão difícil de executar. E elas variam de público: pra quem mora de aluguel, curte decoração de ambientes, busca praticidade”. Segundo Lucas, para os empreendedores que não tem espaço no orçamento para um profissional de social media, além de apostar nas hashtags – palavras-chave precedidas do símbolo # que se tornam links, mostrando todas as imagens que foram tagueadas –, o ideal é usar o storytelling ao seu favor. “Toda marca conta uma história, conte a sua”. Ele acrescenta como ponto positivo a recente possibilidade de veiculação de anúncios, que, por enquanto, está em fase de testes no Brasil, destinada apenas a algumas marcas.

É instantâneo, mas já dá para agendar

Para quem utiliza a ferramenta de forma profissional, alguns apps são essenciais para o trabalho do dia a dia e foi por uma demanda que a Agência Cloud trouxe um aliado importante para o mercado brasileiro: o Instamizer. “Notamos a dificuldade em se gerenciar vários perfis simultaneamente no IG, além disso, não existia a opção de agendar fotos. Nosso objetivo sempre foi oferecer uma solução a longo prazo, provendo segurança e confiabilidade para nossos usuários. Sendo assim, conseguimos criar um serviço de agendamento por meio de dispositivos Androids, desta forma não utilizamos nenhum tipo de engenharia reversa. Até hoje, o Instamizer continua sendo o único serviço de agendamento no País que indexa as fotos corretamente”, explica Lucas Pinheiro.

A ferramenta oferece uma versão gratuita com a possibilidade de uma conta e oito fotos por mês e serviços pagos que variam de R$ 19,90 a R$ 99,90, de acordo com o número de perfis gerenciados.

Matéria Clube de assinaturas | Click GuarulhosO segredo é participar

Uma das grandes características que fazem o Instagram ter o sucesso que ele tem, é seu apelo participativo, combinado ao uso das hashtags. Isso permite que o usuário se inclua “no clubinho”, compartilhando interesses em comum, participando de categorias específicas, brincadeiras, desafios e, até mesmo, em ações ou campanhas de marketing. Dois exemplos legais disso foram a campanha da ONG americana Waves for Water e a #aletradaspessoas. Na primeira, a organização não governamental aproveitou o Dia Mundial da Água (22 de março) para doar filtros portáteis em comunidades carentes de todo o mundo, a cada mil menções da hashtag #nofilter. Já a segunda começou com uma brincadeira, com o intuito de conhecer a letra das pessoas, pois hoje quase não se escreve mais à mão, e se tornou um viral com mais de 148 mil postagens. “Essas ações são a prova de que detalhes cotidianos têm espaço nas mídias sociais. A materialização da solidariedade, como foi com aquele desafio do gelo. Issohumaniza, traz nostalgia”, afirma Nina.

Os desafios fotográficos também ganham destaque e, além de divertir, engajam e exercitam a criatividade e a paixão pela fotografia. É isso que acredita Luh Testoni. “Eu queria engajar meu leitor de alguma forma, porque o blog pode acabar sendo uma coisa muito passiva. O #desafioprimeira foi a maneira que eu encontrei de fazer o meu leitor levantar da cadeira e ir treinar”. Para participar é fácil, basta acompanhar a publicação da lista de temas para as fotos diárias, que sai todo dia 20 do mês anterior no @luhtestoni, e depois postar com a hashtag do desafio. “O projeto tem uma rotatividade enorme, todo dia tem gente entrando e saindo, depois entra de novo e assim vai. Mas estamos chegando em 100.000 fotos marcadas. Tento fazer temas que não sejam difíceis demais e que possam ser feitos de maneiras diferentes e criativas”, conclui sua criadora.

Para usar na rede:

  • #tbt ou #throwbackthursday: postagem de fotos antigas para relembrar momentos especiais ou marcantes. Como o nome em inglês já diz, é só de quinta-feira.
  • #regram ou #repost: quase o “compartilhar” do Facebook. É usado para uma imagem que já foi postada anteriormente ou que é de outro perfil, mas você está repostando.
  • #nofilter: sabe aquela foto que ficou tão linda que nem precisa de filtro? Essa hashtag é perfeita para ela.
  • #ootd: “Outfit of The Day” é a versão americana do nosso “Look do Dia”, famoso entre as blogueiras de moda.
  • #sqn ou #sóquenão: usada para inserir ironia na mensagem da foto.
  • #selfie: autorretrato, normalmente feito com a câmera frontal e o celular ou câmera na mão.
  • #instadaily: fotos que retratam a rotina, o dia a dia.
  • #instapet: para quem ama postar foto de animais. Possui diversas variações, como #instadog para cães e #instacat para gatos.
  • #instafood: para quem gosta de fotografar comida.
  • #photooftheday ou #picoftheday: essa hashtag significa foto do dia, em inglês, e é usada para aquela foto linda que você acha que merece mais destaque, que retrata o acontecimento do dia.

Que tal acompanhar mais da Carleto Editorial no IG?! 😉
#carletoeditorial#revistaguarulhos#revistaweekend@crishoneymilk – repórter | @colarfazbem – designer | @dcaetanoss – designer | @fernandestalii – repórter | @jr_mau – repórter | @katia.081271 – designer | @rafaalmeida_ – fotógrafo