Jornal Olho Vivo faria 38 anos hoje

O jornal Olho Vivo, que se transformou em Diário de Guarulhos em 2007, completaria 38 anos de vida, se tivesse sido mantido em circulação.

Fundado por Valdir Carleto e Elisabetta Gallo, teve seu número 1 circulando em 31 de janeiro de 1981.

Iniciou com edições mensais, passou a quinzenal, semanal, bissemanal e trissemanal.

Visando fortalecê-lo para que pudesse chegar a diário, Carleto vendeu metade das cotas em 2005 a Alexandre Polesi, jornalista experiente, que havia dirigido o Diário do Grande ABC.

Em 2007, o Olho Vivo passou a ser Diário de Guarulhos. A nova estrutura exigiu investimento continuo, o que ampliou o endividamento. No início de 2009, como não tinha capital para injetar na empresa, Carleto preferiu sair da sociedade, passando a editar apenas revistas.

O DG não conseguiu firmar-se financeiramente e deixou de circular no fim de 2014.

A marca Olho Vivo foi penhorada em uma ação trabalhista.

A população ainda sente falta do combativo tablóide e reclama seu retorno, mas Carleto não vê viabilidade econômica para relançar o jornal. Está focado no crescimento do portal de notícias Click Guarulhos, que mantém, na forma digital, as características de independência que notabilizaram o Olho Vivo

Ele já pediu a Polesi que doasse a colecao do jornal a uma bibliiteca da cidade. O ex-sócio respondeu que gostaria de doar a uma faculdade de jornalismo. Carleto conversou com a coordenação do curso da UNG, que demonstrou interesse em receber o acervo. Polesi foi comunicado, mas não providenciou a doação. “Faço um apelo a quem tiver contato com o Alexandre Polesi para que o incentivem a doar a coleção encadernada do Olho Vivo ao Arquivo Histórico, à Academia Guarulhense de Letras, à UNG ou outra instituição, pois esse é um patrimônio da população de Guarulhos e merece estar à disposição de todos”, desabafa.