Jornalista entrega doações referentes a venda de livros

Cumprindo compromisso assumido quando lançou no Facebook a proposta de publicar um livro com financiamento coletivo, o jornalista Valdir Carleto, diretor do portal Click Guarulhos e das revistas RG e Weekend, entregou nesta terça-feira os cheques de doações às entidades Maternidade Jesus, José e Maria (JJM) e Ciaag (Centro de Integração e Apoio ao Autista de Guarulhos).

Graças à adesão de dezenas de amigos, admiradores e do público em geral, foram vendidos 600 exemplares do livro “Era apenas uma brincadeira”, no qual Carleto conta sua trajetória na comunicação, desde a adolescência, o jornal escolar do qual participou, os jornais internos que produziu em agências do Banco do Brasil, até o lançamento do Jornal Olho Vivo, que fez história na cidade de Guarulhos. Como cada exemplar é vendido a R$ 38, resultou em doação de R$ 2.240 (dois mil, duzentos e quarenta reais), da Carleto Editorial, a cada entidade.

Na JJM, o jornalista entregou o cheque ao presidente, Nelson Schiavo, que agradeceu, em nome da instituição e das cerca de 500 crianças que ali nascem mensalmente, sendo que todo o atendimento é via SUS (Sistema Único de Saúde) e as verbas oficiais recebidas são insuficientes para fazer frente a todas as despesas.

 

No Ciaag, Carleto foi recebido pela fundadora, Alexandra Oniki, que mostrou a ele as instalações da entidade e informou que a doação será utilizada para a conclusão da minipanificadora que está sendo montada; um forno foi doado pelo Fundo Social de Solidariedade do Estado de SP.

“Fico feliz que a venda do meu livro tenha propiciado essas duas doações. Sei que é muito pouco diante das necessidades da JJM e que resolve apenas uma questão pontual do Ciaag, mas meu objetivo principal foi o chamar a atenção da sociedade guarulhense para que cada cidadão abrace as entidades assistenciais da forma que lhe seja possível, porque elas prestam serviços inestimáveis à população, complementando tarefas do poder público ou até mesmo exercendo funções que caberiam às autoridades constituídas”, salientou Carleto.