José Rainha condenado a 31 anos de prisão

Ele era um líder popular e muita gente apostava nele. Notabilizou-se por estar à frente de diversas ocupações – como passaram a ser chamadas as invasões de propriedades – pelo MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra).
O tempo veio mostrar, porém, que a atividade que exercia era, na verdade, uma forma de extorquir empresas que não quisessem ver suas propriedades invadidas. Depois de investigado pelo Ministério Público Federal, José Rainha Júnior foi agora condenado a 31 anos de prisão pelo juiz Ricardo Uberto Rodrigues.
Entre outros delitos, Rainha teria tentado extorquir mais de R$ 100 mil de uma concessionária de rodovias para não bloquear a praça de pedágio; e teria recebido R$ 70 mil de empresas proprietárias de canaviais que ele ameaçava invadir. Desvios de verbas destinadas a assentamentos também pesam contra o ex-líder dos sem-terra e, se não bastasse, ainda cobrança indevida de valores para fornecer a famílias assentadas cestas básicas recebidas do Incra.
Como é favorecido por um habeas-corpus poderá recorrer em liberdade