Por Cris Marques

Com o incentivo, cada vez mais cedo, para que ler se torne um hábito na vida de crianças e adolescentes, é comum que outra paixão acabe sendo despertada nesse processo: a vontade de escrever. E é assim que diversos jovens começam a ganhar espaço no mercado editorial e invadir as prateleiras das livrarias. De acordo com Silvia Tocci Masini, editora da Gutenberg, a participação de escritores com menos de 25 ou 30 anos é um movimento em ascensão. “O jovem sempre falou o que pensa e, atualmente, as pessoas estão mais expostas, e querendo se expor. Isso não quer dizer que os de ‘antigamente’ não escreviam, mas as novas plataformas, principalmente a internet, fazem com que eles tenham um local para se divulgar”. Ainda segundo ela, hoje, quem vende a obra é o autor, por meio da relação que ele mantém com seus leitores. “Se ele se movimenta bem na web e tem uma base sólida de seguidores, já tem metade do caminho andado. Claro que a outra metade do sucesso também se deve à qualidade dele como escritor”.

Ana Beatriz Brandão, que acabou de completar 16 anos e já tem dois volumes lançados pela Editora Novo Século, “Sombra de um Anjo“ e “Caçadores de Almas”, começou do jeito clássico mesmo, mas entende a necessidade da rede para ampliar o alcance de seu trabalho. “Nunca imaginei lançar um livro, mesmo tendo escrito várias histórias. Mas, depois de terminar uma delas, dei para minha mãe ler e ela afirmou que precisávamos publicá-la. Então enviei para algumas editoras e quando recebemos resposta positiva de três delas, foi surreal. No início, pensava que só meus parentes e amigos comprariam. Quando comecei a receber mensagens nas minhas redes sociais de pessoas de Manaus, Fortaleza, Curitiba e outros tantos lugares do Brasil e até fora dele, como em Portugal, fiquei chocada”.

Ela, que começou seu interesse pela leitura com o clássico “O Pequeno Príncipe” e com gibis da Turma da Mônica e teve como companheiro dos tempos difíceis de escola o “Meu Querido Diário Otário”, conta que, apesar de acharem que a escrita é a parte mais difícil do processo, ela é na verdade a mais fácil de todas. “Depois é que o trabalho começa. No meu caso foram inúmeras revisões no original, muitas provas de capa e a ansiedade de ver o material pronto. Ah, e ainda tem a divulgação. Fazer com que as pessoas te conheçam talvez seja o mais trabalhoso de tudo. Tenho muita ajuda dos meus pais e, quando as coisas começaram a ficar muito grandes, contratamos uma assessoria de imprensa”.

Com a filmadora e a caneta na mão

Christian Figueiredo - livroDesde pequeno, Christian Figueiredo de Caldas, de 21 anos, já demonstrava sua paixão pela escrita e pelo vídeo. “Com 8 ou 9 anos de idade, eu pegava a câmera da minha mãe pra brincar de filmar. Fazia paródias de filme, jornal, novela. Depois dessas brincadeiras iniciais, foi que eu criei o ‘Eu Fico Loko’. Na mesma época da infância, eu já escrevia diários e crônicas em cadernos normais. Depois eu os encapava e fazia tipo um livro de verdade. […] Foi assim que usei minha paixão, o sucesso do canal e os contatos que fiz para realizar o sonho de lançar um livro de verdade”.
Lançado pela Novas Páginas, o “Eu Fico Loko – As Desaventuras de um Adolescente Nada Convencional” ficou em primeiro lugar na categoria Não Ficção da lista da revista Veja e fez grande sucesso entre os jovens. “Foi tudo muito natural. Quando decidi realmente lançar o livro, levei algumas páginas pra editora e apresentei minha ideia. Eles gostaram do tema e do meu conteúdo. Depois que me lancei, algumas barreiras foram quebradas e vi muitas empresas da área indo atrás de outros criadores de conteúdo pra internet”.

Do www para o papel

Rafael Godoy Moreira - livroRafael Godoy Moreira tem apenas 18 anos e, assim como Christian, começou sua história na internet. “Eu tinha um blog e nele escrevia meus pensamentos. Um amigo meu fazia a mesma coisa, só que em vídeo; aí ele me incentivou a migrar para o Youtube”. Em seu canal, o Me Apaixonei, o jovem já tem quase 500 mil inscritos e esse foi um dos grandes fatores para o lançamento de seu livro. “Eu tinha alguns textos prontos e o que eu precisei foi estruturar tudo certinho, mudando um pouco a linguagem, sempre com o apoio da editora. Pra mim é incrível não ter nem 20 anos e um livro nas livrarias e é preciso ter muita ‘cabeça’ pra saber lidar com tudo isso”. No “Diário de um Adolescente Apaixonado”, igualmente lançado pela Novas Páginas e que, em poucos meses, alcançou o sétimo lugar na categoria Não Ficção da lista de Veja, é possível encontrar assuntos presentes na vida de qualquer um, como saudade, perda e relação familiar, de uma forma jovem e bem-humorada.

Cabine Literária e o movimento dos booktubers

Danilo Leonardi - livroDanilo Leonardi, de 29 anos, também vlogueiro – quem mantém canal de vídeo na internet – e escritor, acredita no potencial da internet para movimentar a área literária. “Acho maravilhoso que exista gente jovem interessada em publicar livros, principalmente pessoas que têm um grande alcance de público. O mercado editorial precisa disso pra se manter vivo”. Além de seu canal pessoal sobre sexo, relacionamento e lifestyle, Danilo integra a lista dos booktubers – usuários do Youtube que se dedicam a temas relacionados à literatura –, colaborando com a equipe do Cabine Literária, criado em 2010 como um canal de entretenimento e cultura dentro do mundo dos livros e que já conta com mais de 100 mil inscritos. Guarulhense, nascido e criado aqui mesmo na cidade, e autor da obra “Por que Indiana, João?”, lançada pela Giz Editorial, ele conta que todo o processo foi bem simples, exatamente pelo seu relacionamento com a editora. “A escrita levou seis meses e depois foram mais seis de produção”.

Livro coletivo e participação colaborativa

Para os jovens (e pessoas de outras faixas etárias também) que têm uma boa história na cabeça e o sonho de ser escritor, algumas iniciativas podem ajudar, e muito, nos primeiros passos da conquista desse objetivo. É o caso do trabalho da Andross Editora, com 11 anos, 90 coletâneas literárias e 2.100 autores publicados. Edson Rossatto, editor de livros da empresa, que publica exclusivamente esse tipo de material, conta que a ideia é exatamente a de orientar novos autores sobre o mercado editorial. “Ninguém começa na vida como presidente de uma multinacional. Você precisa instruir-se cada vez mais e trabalhar muito para conseguir chegar a esse cargo. Assim também é no mundo dos livros. Digamos que as coletâneas sejam um estágio”.

Edson Rossatto
Duas vezes por ano, a Andross define os temas para os próximos lançamentos e recebe, via web, os textos dos interessados. Caso aprovado, a editora e o autor assinam um contrato para a publicação, que é lançada no evento Livros em Pauta, de grande repercussão no setor. Outro ponto importante é a participação colaborativa: cada autor compromete-se a vender 20 exemplares do livro, ao custo unitário de R$ 20,90, forma encontrada para viabilização do projeto.


Jonatas - LivroJônatas Ferreira, coordenador de conteúdo do portal Click Guarulhos, do mesmo grupo editorial da revista Weekend, lançou recentemente o conto de terror “Conto do Vigário Assombrado”, na coletânea “Legado de Sangue”, por meio da Andross, e acredita que essa é uma boa porta de entrada. “Você passa por todos os processos necessários, desde o contrato até o lançamento. É uma ótima dica para quem quer sentir o mercado e não sabe por onde começar”. Ficou interessado na oportunidade? Até o final de janeiro de 2016, estão abertas as participações para contos sobrenaturais, de suspense e terror, distopias, amor, vingança e coletâneas de poemas.jonatas

Para começar já

“Leia muito. E leia de tudo, não se prendendo a um único gênero. Tenha contato com a maior quantidade de textos e narrativas possíveis. Isso fará com que a sua escrita fique mais rica e completa. E também escreva sempre. A escrita é um exercício que exige muita disciplina e esforço”, Silvia Tocci Masini.

“Não desista, estude muito, leia bastante, pesquise ainda mais. Trabalho, persistência, paciência e dedicação são as palavras-chaves para ser escritor”, Ana Beatriz Brandão.

“Leia muito, trabalhe duro, e reconheça suas limitações”, Danilo Leonardi.

“Comece a escrever. As pessoas costumam dizer que têm uma boa ideia para uma história, mas nunca se sentam para colocá-la no papel. Amigo, é só um conto e não um lançamento de foguete”, Edson Rossatto.