Justiça de Goiás nega habeas corpus a João de Deus

Casa Dom Inácio de Loyola, onde o médium João de Deus é acusado de ter cometido abusos - Foto: Marcelo Camargo/ABr

A Justiça de Goiás negou nesta terça-feira, 18, um habeas corpus para o médium João Teixeira de Faria, o João de Deus (preso desde o domingo, 16), alvo de denúncias de abuso sexual de mulheres que buscavam tratamento na Casa Dom Inácio de Loyola. O advogado do médium, Alberto Toron, disse que irá recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para conseguir a liberdade de seu cliente.

“Apenas a liminar foi apreciada e negada. O julgamento final do habeas deverá se dar após o recesso. Discordamos da decisão e vamos recorrer ao STJ”, afirmou Toron, em nota à imprensa.

A defesa de João de Deus pretende transformar a preventiva em prisão domiciliar com uso de tornozeleira. Segundo o advogado, é preciso levar em conta a idade avançada e o estado de saúde do médium. Ele está em uma cela de 16 metros quadrados com pia e vaso sanitário, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

Casa de Dom Inácio, onde João de Deus fazia atendimentos espirituais – Foto: Marcelo Camargo/ABr

Durante o dia a Polícia Civil de Goiás fez buscas em alguns endereços ligados ao médium – entre eles a Casa Dom Inácio de Loyola. No local onde ele atendia houve buscas com o objetivo de colher novas provas para as investigações. Entre as diligências os policiais verificaram a sala onde as vítimas denunciaram que os abusos ocorreram.

A prisão preventiva foi decretada com base em 15 denúncias já formalizadas em Goiânia, todas por crimes sexuais. O médium se entregou à polícia de Goiás, na tarde de domingo, 16, em uma estrada de chão, em Abadiânia, onde mantém suas obras sociais e o centro de atendimento. Desde a semana passada, a força-tarefa do Ministério Público de Goiás recebeu 506 relatos de crimes sexuais atribuídos ao médium.

MP de SP

A força-tarefa do Ministério Público de São Paulo (MP/SP) ouviu, em uma semana, 28 mulheres que denunciaram o médium João Teixeira de Faria, o João de Deus.

O médium João de Deus (C) já foi denunciado por mais de 500 mulheres – Foto: Cesar Itiberê/Fotos Publicas

Para esta terça-feira, 18, estavam previstos mais cinco depoimentos na Capital Paulista. A partir de amanhã (19), o Ministério Público entra em recesso, as oitivas serão suspensas e retomadas em 7 de janeiro do próximo ano. O Ministério Público de Goiás já recebeu 506 acusações.

As pessoas que se dizem vítimas do médium também podem enviar os relatos para denuncias@mpgo.mp.br. Em São Paulo, o e-mail para denúncias é somosmuitas@mpsp.mp.br. Todas as mulheres serão ouvidas em sigilo e não terão a identidade divulgada.

Defesa

O pedido de habeas corpus impetrado pelos advogados do João de Deus tentaram transformar a decisão judicial de prisão preventiva em prisão domiciliar, com uso tornozeleira, por causa da idade avançada e dos problemas de saúde do médium. No entanto, o pedido foi negado pela justiça. Os advogados reiteram a inocência do médium e levantam dúvidas sobre o comportamento das possíveis vítimas e o conteúdo dos depoimentos.

A polícia também investiga uma recente movimentação de cerca de R$ 35 milhões nas contas de João de Deus.

* Com informações da Agência Brasil