Livro “Muito além da visão” mostra o olhar de quem possui deficiência visual

Muito mais que uma simples obra literária, o “Muito além da visão” é uma causa. A causa das pessoas com deficiência visual, que nunca se restringe a elas apenas, mas ao desejo de conquistar um mundo que seja para todos.

Não são deficientes visuais, mas PESSOAS com deficiência visual, pois é assim: o ser humano se apresenta antes de qualquer característica. Entre cegos e pessoas com baixa visão, este livro contém narrativas surpreendentes daqueles que aprenderam a se relacionar com o mundo sem poder contar com a visão. Uns desde o nascimento, outros que perderam visão ao longo da vida. Uma das principais mensagens que se descortinam diante de histórias tão humanas e surpreendentes é: pessoas com deficiência visual têm limitações sim, mas não são pessoas limitadas.

A proposta de reunir representantes de todo o Brasil trouxe um autor de cada estado brasileiro para compor esta obra sensível e inusitada. Além das 27 narrativas, o livro contém a apresentação redigida pela organizadora Raquel Alves (que também é deficiente visual) e o depoimento da Dra. Vanessa Vidotti Pimenta, médica oftalmologista, que traz um olhar sensível em relação à perda visual.

Esta obra que chegará nas mãos de todos os autores, promete ter presença em âmbito nacional. A Editora também fez questão de doar uma porcentagem da obra para Associações e Instituições dedicadas às pessoas com deficiências, sejam elas visuais ou não, espalhando, assim, um pouco mais de esperança para todos aqueles que se encontram diante de desafios que a vida apresenta.

Além do livro impresso, a obra terá formatos digitais: ebook e audiolivro, que poderão ser adquiridos pelo site www.editorasiano.com.br, pelos valores de R$ 35,00 – preço de lançamento – (versão impressa) e R$ 24,50 paras as versões ebook e em áudio.

UM POUCO MAIS SOBRE DEFICIÊNCIA VISUAL

De acordo com o censo do IBGE de 2010, cerca de 6,5 milhões de pessoas são afetadas pela deficiência visual no Brasil, ou seja, cerca de 3,5% da população brasileira. Dentre elas, cerca de 528.624 são incapazes de ver (cegas) e cerca de 6.056.654 têm grande e permanente dificuldade de enxergar (baixa visão). Os cegos usam bengalas brancas e as pessoas com baixa visão usam bengalas verdes.

Pessoas podem perder a visão de maneira irreversível a partir de várias patologias: glaucoma, retinose pigmentar, degeneração da mácula, retinopatia diabética, retinopatia da prematuridade (em pessoas que nascem prematuras), dentre outras.

SOBRE A ORGANIZADORA

Raquel Alves é graduada e pós-graduada em Arquitetura e Urbanismo. Filha do escritor e educador Rubem Alves, assumiu a presidência do Instituto Rubem Alves em 2014 (a partir do falecimento de seu pai), deixando sua carreira de arquiteta e paisagista de lado.

Foi diagnosticada com glaucoma aos 13 anos de idade, porém apenas a partir de 2016 começou a se entender como pessoa com deficiência visual. Hoje tem baixa visão e utiliza recursos de acessibilidade.