Manifestação contra reforma da Previdência reúne 30 mil em São Paulo

O Sindicato Nacional dos Aposentados (Sindnapi) e a Força Sindical realizaram na Capital, na quarta (25), feriado de aniversário de 463 anos de São Paulo, um ato em defesa dos trabalhadores, aposentados e contra a reforma da Previdência. O evento reuniu cerca de 30 mil pessoas na rua do Sindicato, no Centro.

O protesto foi marcado por críticas à reforma neoliberal proposta por Temer, principalmente quanto ao item que impõe a idade mínima de 65 anos para que homens e mulheres possam ter acesso à aposentadoria. Foi criticada também a regra dos 49 anos de contribuição para receber o benefício integral, além do fim do acúmulo de benefícios, entre outros.

O presidente do Sindnapi, Carlos Andreu Ortiz, afirmou à Agência Sindical: “O fim do acúmulo arrocha ainda mais quem já recebe pouco. A viúva que recebe aposentadoria de um salário mínimo e a pensão do marido terá de optar por um dos benefícios. Isso é cruel e desumano”. E conclui: “A reforma é um duro golpe”.

Além das lideranças dos aposentados, estiveram presentes sindicalistas e autoridades, entre elas o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Miguel Torres; o presidente da Força Sindical e do partido Solidariedade, deputado federal Paulo Pereira da Silva; o deputado federal Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP); e o presidente estadual da Força, Danilo Pereira da Silva.

Mobilização – Os parlamentares assumiram o compromisso de uma ação conjunta na Câmara, para tentar barrar a proposta da maneira que está. Os organizadores avaliam que o ato fortaleceu a resistência às mudanças nos termos propostos. Eles pretendem organizar caravanas a Brasília, a fim de conversar com os parlamentares e acompanhar o trâmite da matéria.

O evento, que também comemorou o Dia Nacional do Aposentado (24 de janeiro), sorteou três carros zero Km e o público foi brindado com shows de astros populares.