Memorial Padre Bento resgata história do antigo Sanatório de Hansenianos

Fachada do Espaço Memorial Padre Bento, inaugurado na manhã desta quarta, 5 - Foto: Alexandre de Paulo

O Espaço Memorial Padre Bento, inaugurado na manhã desta quarta-feira, 5, dentro do Complexo Hospitalar Padre Bento, simboliza não só o resgate histórico e documental do antigo Sanatório de Hansenianos, instalado no Gopoúva há 88 anos. É um resgate da memória da saúde pública na história de Guarulhos.

O vice-prefeito, Alexandre Zeitune, diretores, médicos, funcionários da Saúde e antigos frequentadores e parentes de pacientes do Sanatório Padre Bento também participaram da solenidade.

“O Espaço Memorial Padre Bento, hoje instituído por uma portaria interna, é de extrema importância para a vida e história desta cidade. Há 88 anos ele foi o primeiro hospital público a ser instalado em Guarulhos. Ocupava uma área de 24 alqueires, era enorme, hoje temos 45 mil m². Atualmente é um hospital de especialidades, de neurocirurgia, ou seja, a história nos fez seguir com a mesma vocação, desenvolvendo o ensino médico, desenvolvendo as pessoas e atendendo bem a população da cidade”, disse Roberto de Almeida Duarte, diretor técnico do hospital.

Para o senhor Domingos Norberto Aletti, 78 anos, aposentado que dedicou a maior parte de sua vida ao Padre Bento, a história ainda está viva na memória. “Estou aqui (no Padre Bento) desde 1970, mas trabalhei no departamento de profilaxia da hanseníase desde j um1960, em São Paulo. Entrei como escriturário, depois passei a chefe de seção de compras, diretor administrativo, e assistente técnico da diretoria. Hoje, aposentado, atuo como voluntário, agora dedicado ao Espaço Memorial Padre Bento”, disse.

“Eu morria de medo dessa doença. Havia muito preconceito. Em 1960, em São Paulo, que administrava todos os sanatórios do Estado, quando a gente atendia os pacientes que não portavam a forma contaminante da doença (eles recebiam os vencimentos numa tesouraria no andar que eu trabalhava), a gente prendia a respiração antes de entrar no elevador e segurava até o 5° andar”, conta ele. “Trabalhei com o doutor Abrahão Rotberg, diretor do hospital; toda tese dele eu acompanhei, ele era um homem espetacular”, complementa, explicando como venceu o preconceito.

Domingos, que contribuiu com muitas peças e fotografias para o acervo do espaço, o espaço é um resgate importantíssimo. “É uma história importante, que não pode ser esquecida, tanto pra gente, que viveu aqui, quanto para o pessoal de fora. Pra gente é uma homenagem e para os outros é cultura”, finalizou.

Já para o dr. Mário Cesar Pires, diretor da Gerência de Formação e Aprimoramento, o Hospital Padre Bento em si já tem um valor histórico muito importante. “Ele já é um museu, que foi inaugurado em 1931. Era uma ideia antiga nossa transformar isso numa realidade, com um espaço propriamente dedicado à memória. Temos diversas peças, inclusive algumas que não estão mais aqui, que estão no museu da Faculdade de Medicina da USP e no museu de Saúde Pública Emílio Ribas. No ano passado, no aniversário do Padre Bento, fizemos uma pequena exposição, com alguma peças, aí surgiu a ideia de se criar o Espaço Memorial Padre Bento”, contou.

O Complexo Hospitalar Padre Bento aderiu ao Programa Patrimônio em Rede, da Secretaria de Governo do Estado de SP, concretizando assim o projeto.

Serviço

O Espaço Memorial Padre Bento é aberto ao público e está disponível para visitas as terças e quintas, das 9h às 10h. É possível fazer agendamento para grupos, por meio do telefone: 2441-1186, com Samara Lampe Narciso, diretora do Núcleo de Desenvolvimento de RH e coordenadora da Comissão do Patrimônio em Rede do CHPBG.
O Complexo Hospitalar Padre Bento fica na avenida Emílio Ribas, 1819 – Gopoúva/Jardim Tranquilidade, em Guarulhos.