Por Cris Marques
Fotos Rafael Almeida e Divulgação

A moda é e sempre foi algo cíclico, a tendência que cai hoje retorna anos depois. E por isso ter um guarda-roupa que se adapte a todas essas voltas pode não ser algo fácil ou tão econômico assim. Mas é aí que entra a onda dos brechós – lojas que vendem artigos usados, em especial roupas e calçados, femininos e masculinos, e que trabalham com preços convidativos. De acordo com o Sebrae, que classifica a empreitada como uma boa oportunidade de negócio, essa é uma atividade comercial bastante antiga e seu formato se origina do “mercado de pulgas” dos anos 70, no Rio de Janeiro. Mas se essa origem te fez torcer o nariz ou pensar imediatamente em mofo ou naftalina, você verdadeiramente precisa visitar um.

Com uma infinidade de produtos, espaços amplos, agradáveis e aconchegantes, os brechós de hoje em dia ofertam itens de vestuário em ótimas condições de uso ou até novos e devidamente higienizados. Sem contar as opções on-lines, que também são uma ótima pedida. Tatiana Poli Toffoli Aran Jallas, dentista e proprietária do Brechó da Titi (fotos), no Jardim Barbosa, acredita que ainda é preciso quebrar o preconceito que as pessoas têm para que o garimpo – ato de explorar e extrair minerais preciosos e que, na moda, significa encontrar/descobrir uma peça legal – se torne um hábito. “Se as pessoas conhecessem na íntegra o verdadeiro conceito, não existiria recusa. O valor extremamente acessível das mercadorias, a possibilidade de ganhar dinheiro com roupas e afins que estão ‘parados’ nos armários e closets e a contribuição ao meio ambiente, com a reutilização de um mesmo item, são benefícios ímpares desse sistema”.

A arte de garimpar

De acordo com a personal stylist Juliana Skliutas, visitar um brechó pode render ótimas compras. “Com o mercado tão instável financeiramente, vale a pena dar uma garimpada e ainda negociar. Você pode se surpreender com o que encontrará lá; de produtos seminovos a peças de marcas famosas. E, mesmo que você não encontre nada do seu gosto, é possível se deparar com artigos antigos que marcaram uma época e que contam um pouco da história”. Para um garimpo de sucesso, ela ainda frisa que o ideal é a pessoa focar em sua numeração e cores e cortes que valorizem. Afinal, lá é tudo único. Outra dica é avaliar bem, o que a especialista chama de “ver com as mãos”, analisando a qualidade, sua originalidade e estado. “Se for somente a preocupação por ser usado, nada que uma boa lavanderia não resolva”.

Taisa Carvalho Sartor, que administra o Brechó Les Amis – um dos pioneiros na cidade – ao lado de sua mãe Ivonete Aparecida Redicopa, conta que, para quem ainda não conhece esse universo, fazer uma visita é abrir um imenso leque de oportunidades. A história do estabelecimento, que começou em 2003 com uma sociedade entre amigos que se desfez pouco tempo depois, só foi para frente com o apoio da família e muita persistência. “No começo era só propaganda boca a boca, mas a eficiência era praticamente zero. Algumas clientes tinham vergonha de serem descobertas comprando ou vendendo. Mas nós conseguimos levar essa cultura pra frente. Hoje, as pessoas vêm aqui para garimpar e encontram qualidade e grifes famosas a preços ótimos”.

Desapego: o outro lado

E se, ao invés de aproveitar os brechós para a aquisição, você desapegar aqueles itens que não utiliza mais? Assim, além de ganhar dinheiro, você libera espaço no guarda-roupa e ainda contribui com o meio ambiente. Aqui em Guarulhos, os dois estabelecimentos citados trabalham dessa forma. No Les Amis, por exemplo, a compra funciona por lotes de no mínimo 25 peças aprovadas. Assim, tanto a aprovação quanto o preço é decidido em uma avaliação com data e hora marcadas. Já na Titi, o sistema é por consignação e sem limite mínimo. Seu artigo fica lá por tempo indeterminado e, ao ser vendido, você ganha 50% do valor de venda. Ah e vale ressaltar que todo e qualquer artigo de que você irá desapegar tem que estar em bom estado e devidamente higienizado.

 Matéria sobre Moda de Brechó | Portal Click GuarulhosNa rede
Uma boa opção para quem quer se desfazer ou comprar coisas legais na internet é o Enjoei. O projeto, que surgiu como um blog em 2009 e se tornou site em 2012, é resultado da falta de espaço no armário de Ana Luiza McLaren que, ao lado de seu então namorado Tiê Lima, começou a divulgar seus “enjoos” na internet. A ideia deu tão certo que hoje o domínio já leva o status de maior brechó on-line do país e, além de uma variedade enorme de peças legais e moderninhas, também tem um espaço destinado a lojinhas de blogueiras famosas, com objetos de desejo de muitos leitores e internautas.

 

Brechó da Titi
Rua Macaé, 35, Jd. Barbosa. Tel.: 2408-1412. WhatsApp: 95655-4321

Brechó Les Amis
Av. Dr Renato de Andrade Maia, 299, Parque Renato Maia. Tel.: 2408-6324

www.enjoei.com.br