Movimentos populares prometem protesto contra um novo aterro no Cabuçu

Usando máscaras, manifestantes bloquearam o aterro da CDR no dia 31 de dezembro - Foto: Alexandre de Paulo

A página do Facebook “Movimento Cabuçu é Pulmão” fez um post na tarde desta sexta-feira, 18, convidando os moradores do Jardim Cambará, Parque Continental, e demais bairros da região do Cabuçu para “exercer a cidadania” num protesto “exigindo urgente providência” contra o mau cheio proveniente do aterro sanitário de Guarulhos, onde no dia 28 de dezembro de 2018 houve um deslizamento de 4000 m² de terra e resíduos.

Os  manifestantes também são contrários à instalação do “novo aterro de lixo no Cabuçu”. O protesto está agendado para domingo, 27 de janeiro, às 16h, na Praça Transguarulhense.

Cetesb

A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de SP informou que a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) “está acompanhando as ações da Prefeitura de Guarulhos por meio de vistorias e relatórios”, que são encaminhados periodicamente pela administração municipal. “Até a próxima semana será realizada uma nova vistoria para verificar as medidas adotadas a fim de inibir odores e, se necessário, solicitar novas ações no local.”

Prefeitura faz segunda aplicação do remediador de odores

Também nesta sexta-feira, 18, a Prefeitura de Guarulhos informa que fez a segunda aplicação do “remediador ambiental físico químico” de odores sobre a célula do aterro sanitário deslocada no aterro municipal de Guarulhos. Segundo a Prefeitura o produto é certificado pelo Ibama e teve o uso aprovado pela Cetesb. “A aplicação ajuda a precipitar os gases emitidos pela matéria orgânica em decomposição exposta”, informa a nota.

A aplicação do produto requer a utilização de caminhão pipa equipado com jato direcional – Foto: Jackson Argolo/PMG/SSP

A aplicação do produto requer a utilização de caminhão pipa equipado com jato direcional que atinge 40 metros de distância. O trabalho é feito por funcionários da empresa que opera o aterro e acompanhado por técnicos da Secretaria de Serviços Públicos.

Drone

A Secretaria de Serviços Públicos começou nesta semana a utilizar um drone (veículo aéreo remotamente pilotado) para monitorar o aterro sanitário municipal. O equipamento permite visualizar toda a área do aterro, incluindo a célula deslocada no último dia 18, sem oferecer riscos aos servidores. O trabalho é feito em parceria com a Proguaru e o SAAE.