Municípios vizinhos divulgam alertas; Bombeiros apontam 200 desaparecidos

Segundo o Corpo de Bombeiros de MG há pelo menos 200 desaparecidos

As prefeituras de municípios vizinhos a Brumadinho e cortados pelo Rio Paraopeba alertaram a população sobre o risco de uma súbita elevação do nível da água e recomendaram que as pessoas se afastem do rio. Além disso, as autoridades municipais já se mobilizam para enfrentar eventuais impactos que o rompimento da barragem na Mina do Córrego do Feijão, da mineradora Vale, nesta sexta-feira, 25, pode causar. Segundo o Corpo de Bombeiros de MG há pelo menos 200 pessoas desaparecidas.

Em Mário Campos, cidade vizinha a Brumadinho, moradores de três bairros (Reta 1; Funil e Campo Verde) localizados às margens do rio estão sendo orientados a deixar suas casas preventivamente. Segundo a procuradora municipal,Patrícia Natália Elias, policiais militares percorreram os bairros alertando sobre o risco da súbita elevação do nível d´água.

De acordo com a procuradora, a Escola Municipal Antônio Pinheiro Diniz (a Escola da Praça), na região central, está sendo preparada para receber quem tenha que deixar sua casa e não tenha para onde ir.

“Já temos muitos munícipes manifestando intenção de se abrigar na Escola da Praça. Fomos avisados pelo Corpo de Bombeiros e pela Defesa Civil de que o risco de algo pior acontecer aqui no município é pequeno, mas que estes três bairros podem ser atingidos. Estamos trabalhando preventivamente e estaremos preparados caso necessário”, disse a procuradora municipal à Agência Brasil.

Além da preocupação com os moradores dos três bairros, a prefeitura usou as redes sociais e os veículos de comunicação locais para alertar a população, em geral, a não acessar o leito do Rio Paraopeba “de forma alguma”. Agentes da Defesa Civil estão monitorando o rio e, de acordo com Patrícia, até o momento, os dejetos e a lama que chegaram ao curso d´água após o rompimento da barragem não atingiram os limites de Mário Campos. A água que a população deste município consome é captada no Paraopeba.

Outras cidades

Outras cidades mais distantes, a jusante do rio, também emitiram alertas para a população. A prefeitura de Juatuba divulgou um comunicado nas redes sociais e meios de comunicação locais conclamando a população a estar atenta. “Não se aproximem [do Rio Paraopeba]. Não é possível precisar o volume de água, portanto, não queiram ver de perto. Todos devem se afastar.”

Seguindo o curso do rio, a prefeitura de Pará de Minas também alertou as pessoas para que não fiquem às margens do rio. “Há a possibilidade de o nível da água subir repentinamente”, avisa a nota da prefeitura, garantindo que “está trabalhando para manter o abastecimento da cidade e que tomará as medidas necessárias para não causar transtornos à população”.

A prefeitura de São Joaquim de Bicas instruiu a população que vive às margens do Rio Paraopeba a evacuar a área por medida de segurança. O município de Juatuba, que limita com Brumadinho, também emitiu alerta aos moradores do bairro Francelinos, por onde também passa o manancial.

O prefeito de Betim, Vittorio Medioli, divulgou um vídeo nas redes sociais e pediu atenção aos riscos de inundação. “Preste atenção para poder evacuar as casas caso as coisas fiquem muito sérias”, recomenda Medioli no vídeo.

O rompimento da barragem ocorreu no início desta tarde (25). A Mina Córrego do Feijão fica em Brumadinho. O município já havia publicado mais cedo uma mensagem nas redes sociais pedindo que os moradores fiquem longe do leito do Rio Paraopeba.

Hospital em BH recebe vítimas de rompimento da barragem

O Hospital João XXIII, instituição pública vinculada ao estado de Minas Gerais, em Belo Horizonte, informou em nota que acionou seu plano de atendimento para múltiplas vítimas de catástrofes. A iniciativa busca priorizar a assistência aos atingidos pelo rompimento da barragem da Mina Feijão, em Brumadinho, na região metropolitana.

A nota informa que às 15h deram entrada no hospital dois pacientes do sexo feminino trazidos por helicóptero. “Elas estão estáveis, conscientes e passam por avaliação. A diretoria do Hospital João XXIII pede que os casos não relacionados a esta tragédia sejam encaminhados para outras unidades de emergência “.

O rompimento da barragem, que pertence à mineradora Vale, ocorreu no início da tarde desta sexta, 25, liberando no meio ambiente um volume ainda desconhecido de rejeito. O Corpo de Bombeiros atua no local.

Rejeito atingiu o Rio Paraopeba, informa Corpo de Bombeiros

De acordo com o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, o rejeito que vazou da Mina Feijão atingiu o Rio Paraopeba às 15h50. O vazamento ocorreu em consequência do rompimento da barragem no início da tarde de hoje.

Situada em Brumadinho (MG), na região metropolitana de Belo Horizonte, a Mina Feijão pertencente à Vale.

Mais cedo, a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), empresa vinculada ao governo mineiro, informou que poderia alterar a forma de abastecimento de água da região metropolitana de Belo Horizonte, que é atendida pelo Sistema Paraopeba. A estatal, porém, assegurou que a população não seria prejudicada.

“Caso seja necessário, o abastecimento da região atendida pelo Sistema Paraopeba, passará a ser realizado pelas represas do Rio Manso, Serra Azul, Várzea das Flores e pela captação a fio d’água do Rio das Velhas”, informou nota da Copasa.

Notificação

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) divulgou nota informando que às 13h37 foi comunicada do rompimento pelo gerente de segurança e emergências ambientais da Vale. Equipes do Núcleo de Emergência Ambiental da Semad se deslocaram para o local do acidente para verificar a ocorrência e tomar as providências necessárias.

“O empreendimento, e também a barragem, estão devidamente licenciados, sendo que, em dezembro de 2018, obteve licença para o reaproveitamento dos rejeitos dispostos na barragem e para seu descomissionamento [encerramento de atividades]. A barragem não recebia rejeitos desde 2014 e tinha estabilidade garantida pelo auditor, conforme laudo elaborado em agosto de 2018. As causas e responsabilidades pelo ocorrido serão apuradas pelo governo de Minas”, informou a pasta.

*Com informações da Agência Brasil