Museu Nacional, por que assim?

Por que assim?… Por que dessa forma?.
Já não chega o que estão fazendo com o Brasil? Já não chega, a ausência de ética de tantos que se comprazem com a ‘nódoa’ que mancha o ‘linho’ do Poder?. Será que a ‘vergonha’ dos dias que vivemos ainda é pouco? Será que a destruição de nossa memória é o preço que temos que pagar… ou ainda tem mais?

Ontem, em curto período (início da noite até o meio da madrugada), o fogo destruiu tudo de nossos tesouros culturais, uma memória acumulada de duzentos anos. O Museu Nacional (Quinta da Boa Vista (Rio de Janeiro-RJ)) é hoje uma ‘catacumba’, de onde ressoam gritos desesperados.
Desesperados, e inaudíveis propagados num silêncio ensurdecedor. Gritos de tantos quantos ‘deixaram’ seus rastros na História, desde os tempos
imperiais, inaudíveis, pelos ‘Donos do Poder’, que em luxuosos gabinetes palacianos chafurdam na ‘lama sebosa’ de ardís e falcatruas, para quem, Museus onde se guarda nossa Memória, inexistem.

Oh, meu Brasil querido, não mereces isso, não mereces isso, não.
Mas, surpreenderemos nossos ‘malfeitores’ e, como o ‘pássaro’ do filme, renasceremos das cinzas, e as lágrimas que derramamos hoje, virarão ‘fogo’ de coragem, que nos fará
ressurgir fortes e imbatíveis, prontos para ‘morrer’ pela cultura nacional!.

(ass. Bosco Maciel – Poeta, Folclorista, Cantador, Fundador da Casa dos Cordéis, Membro efetivo da AGL ‘Academia Guarulhense de Letras’).