Não leve seu pet para a folia: animais podem sofrer com estresse e ansiedade

No período de Carnaval, é cada vez mais comum que os foliões queiram levar seus animais de estimação aos eventos, como festas e blocos de rua. A decisão, no entanto, pode custar o bem-estar e até a saúde do peludo.

Isso porque os ambientes em que os eventos ocorrem somam fatores como som muito alto, aglomeração de pessoas, temperaturas elevadas, entre outros.

“O som alto, tanto da música quanto o gerado pela multidão, pode incomodar e muito o seu cão, gerando ansiedade e estresse”, afirma a médica-veterinária Carolina Filippos, que integra a Comissão Técnica de Clínicos de Pequenos Animais do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP).

No que diz respeito ao público, os tutores devem lembrar que blocos e festas de Carnaval com freqüência têm aglomerações, o que também é motivo de alerta para a segurança do pet. A médica-veterinária argumenta que, na ocorrência de alguma movimentação diferente, há o risco de o animal ser pisoteado.

“É necessário, ainda, observar a temperatura ambiente e o tempo de caminhada”, enfatiza Carolina. Ela explica que calor, sol e esforço em excesso podem ser muito prejudiciais, especialmente aos animais braquicefálicos – cuja anatomia do focinho é curta, como ocorre com os Bulldogs, Shih-Tzus e Boxers –, que possuem uma respiração mais delicada. Essa exposição pode causar o “Heat Stroke” (insolação), assim como a temperatura do asfalto provocar queimaduras nos coxins (almofadinhas das patas).

Carolina ressalta também que quantidade de resíduos descartada pelas pessoas no chão, como latas, vidro, plástico e restos de alimentos, representam propensão a acidentes. “Eles podem pisar e se ferirem, além do risco de comerem algo que foi descartado e terem problemas gastrointestinais.”

A Folia em casa também merece atenção

Para quem mora perto de regiões em que são realizadas festas, também é possível que os peludos se sintam incomodados, com medo ou agitação, principalmente em decorrência dos ruídos altos.

A dica é organizar um ambiente aconchegante ao animal, preferencialmente em um espaço da casa em que ele demonstre se sentir mais confortável e protegido. As caminhas mais acolchoadas, bem como os cobertores do pet, podem ajudar nesse sentido.

“Uma alternativa é colocar algodão nas orelhas a fim de abafar o barulho”, orienta a médica-veterinária Carolina Filippos, que integra a Comissão Técnica de Clínicos de Pequenos Animais do CRMV-SP.

Em alguns casos é necessário o tratamento medicamentoso para o alívio do estresse. Para isso, consulte um médico-veterinário.

Já entre os peludos que apresentam o comportamento normal mesmo com a folia do lado de fora, alguns tutores gostam da ideia de fantasiá-los. Essa decisão também merece algumas considerações para a garantia do bem-estar dos animais. “Devem ser evitados os tecidos sintéticos, lembrando que nessa época do ano faz bastante calor”, afirma a médica-veterinária, que ainda ressalta que é fundamental observar os adereços, que muitas vezes têm peças que se desprendem e podem ser ingeridas ou até ferir o pet.

*Com informações do CRMV-SP