Ninguém é de ferro: STF compra cachaça, vinho e lagosta

O Supremo Tribunal Federal (STF) divulgou nesta semana informações sobre um pregão eletrônico para a contratação de um fornecedor para as refeições servidas pela Corte. O custo estimado é de R$ 1,1 milhão.

O menu inclui serviços para café da manhã, lanche entre o café e o almoço, almoço, jantar e coquetel. Na lista são citados alimentos para pratos como bobó de camarão, medalhões de lagosta com molho de manteiga queimada, vitela assada e carré de cordeiro.

Entre as bebidas, está prevista a compra de vinhos tintos secos, sendo exigido que o rótulo tenha ganhado pelo menos quatro premiações internacionais e tenha sido envelhecido em barril de carvalho francês, americano ou ambos. Para os vinhos brancos, a uva exigida é do tipo Chardonnay, também com no mínimo quatro premiações internacionais.

A exigência para a cachaça é de que seja de alta qualidade, envelhecida em barris de madeira por um ou três anos. Os uísques deverão ser envelhecidos por 12, 15 ou 18 anos.

Procurado pela Agência do Rádio para comentar o caso e os valores, o STF informou que o edital segue padrão do Ministério das Relações Exteriores.